30 FITAS E DOCUMENTOS COMPROVAM ESQUEMA DE CORRUPÇÃO NO GDF. OS ‘PIRATAS DO CERRADO’ FAZIAM A FESTA.

1
44

Em depoimento prestado em setembro de 2009, perante corajosos e diligentes Promotores de Justiça do DF, Durval Barbosa, noticiou graves fatos e entregou mais de 30 fitas de vídeos e documentos que comprovariam o depoimento que ele prestava e que foi a origem da operação Caixa de Pandora. A íntegra do depoimento pode ser acessada no portal do IG, no seguinte endereço eletrônico: http://esporte.ig.com.br/images/arquivos/pdistrito_fedinq_603_v001.pdf

Destacam-se as seguintes informações:

O grupo TBA pagava propina ao Arruda e que foi entregue à Polícia Federal um vídeo em que Cristina Boner foi informada de que seria assinado um contrato emergencial com a CODEPLAN a pedido de Arruda, no valor de um milhão de reais. O contrato foi feito para quitar doação de campanha feita através do Jornal da Comunidade;

Apresentou vídeo em que dava trinta mil ao Brunelli. Destaca que Arruda mandava parcela o pagamento, por não confiar no Brunelli.

Fala sobre a relação entre Arruda, José Celso Gontijo e ÁLVARO TEIXEIRA DA COSTA, presidente do Correio Brasiliense e que tais pessoas haviam feito um acordo para desacreditá-lo e que alguns promotores de justiça do MPDFT, a pedido de Arruda, perseguiram Durval, até que ele realizou um acordo com o governador e passou a integrar a quadrilha desvendada na operação CAIXA DE PANDORA.

Diz que álvaro Teixeira usou o poder do Correio para prejudicá-lo;

Diz que Arruda começou a arrecadar dinheiro para a campanha ainda na gestão Roriz e que os nichos de corrupção do Arruda eram: CEB, ICS, METRÔ, BRB e CODEPLAN. O BRB seria o órgão mais corrupto.

Toda a campanha de Arruda foi arrecada juntos aos prestadores de serviços do DF;

Discorre sobre a contratação do INSTITUTO SANGARI para prestar serviços na Secretaria de Educação;

A casa de Osório Adriano era utilizada para prometer contratos no futuro governo do DF e arrecadar dinheiro para a campanha;

Foram entregues vários comprovantes de despesas de campanha não contabilizados ou declarados, no valor superior a doze milhões de reais;

Afirma que mensalmente era entregue dinheiro para Eurides Brito, Fábio Simão, Odilon Aires, Benício Tavares e Leonardo Prudente;

Gilberto Lucena, da Linknet, esclarece, em vídeo, como fez a divisão de dinheiro entre políticos;

Explicita ainda como funcionava o esquema para forçar as empresas a pagar mais do que combinado de propina. Esquema análogo foi usado em relação ao pagamento de UTI’s no DF.d

Gilberto Lucena diz que Arruda queria cobrar todo o valor da propina, sem descontar o que já havia sido pago para Giffone, Pena e Paulo Octávio, ou seja, DUZENTOS E OITENTA PARA OS DOIS PRIMEIROS E SEISCENTOS E SESSENTA PARA PAULO OCTÁVIO;

Em outro vídeo aparece Luis França, subsecretário da Secretaria de Justiça, recebendo dinheiro de Durval a mando de Arruda; Luiz França foi atendido, pois estava indócil por não receber propina na mesma intensidade que os demais;

Marcelo Carvalho, das empresas de PO, sempre aparecia para pegar 30% do que arrecado das empresas de informática;s

Diz que em uma gravação aparece Odilon Aires recebendo o seu valor mensal;

O jornalista Paulo Pestana aparece em um vídeo recebendo dez mil reais;

Paulo Roberto do DFTRANS, oriundo do Paraná, aparece em vídeo recebendo vinte mil reais, valor que lhe era repassado mensalmente;

Diz que em todas as unidades financeiras Arruda mantém uma espécie de fiscal, para impedir roubo de sua quota-parte;

José Vieira Naves, do IDHAB, aparece recebendo dinheiro em dois vídeos.

Arruda não gosta de receber pequenas quantias. No mínimo quer um milhão;

Diz Durval que já entregou vários lotes de um milhão para Lamoglia, José Humberto e para o filho de José Humberto;

Que já entregou dinheiro no escritório do Ilhas do Lago, empreendimento de José Humberto e Paulo Octávio;

A adesão de Benedito Domingos custou seis milhões de reais, pagos ao filho de Benedito, Sérgio Domingos, e ao próprio Benedito;

A adesão de Adalberto Monteiro (PRP) custou duzentos mil e de Omar Nascimento (PTC) cem mil reais;

Que nas Secretarias cujos titulares detém mandato o titular fica com 40% da propina e o restante é dividido da seguinte forma: 40% Arruda; 30% PO; Geraldo Maciel 10%; Omézio 10% e o restante para livre distribuição;

O Declarante não sabe o percentual da Eliana Pedrosa, Bispo Rodovalho e Alberto Fraga;

Na Secretaria de Saúde a pessoa autorizada por Augusto Carvalho para negociar e receber as propinas é Fernando Antunes;

José Geraldo Maciel gastava quatrocentos mil com a base aliada por mês;

Em um contrato com a empresa NOVA FASE, Arruda levou quase seis milhões.

O dinheiro arrecado por PO e Márcio Machado como regra era entregue em dois hotéis do DF, de proriedade de PO;

Leonardo Prudente foi filmado recebendo dinheiro por duas vezes;

Leonardo Prudente pratica extorsão contra empresários que disputam licitações no DF;

O BRB é o órgão mais corrupto do DF;

Arruda comprou um haras por três milhões;

O dono da empresa Juiz de Fora estava reclamando da extorsão praticada por Fábio Simão na Secretaria de Educação;

Izalci Lucas também não escapa das acusações de Durval;

Vários jornalistas do grupo ASrruda são mencionados e o pagamento aos jornalistas era feito com dinheiro da CODEPLAN e LINKNET. O Correio fica, no mínimo, desconfortável.

Gifone foi encarregado de destruir pegadas, documentos que pudessem incriinar Arruda e os participantes do esquema;

Augusto Carvalho recebia em um contrato sessenta mil por mês;

João Luiz – hoje diretor do HRAN – recebeu vinte mil e o recebimento foi gravado;

1 COMENTÁRIO

  1. Tem mais
    O Pro DF desde que foi criado tem mais corrupção do que 10 caixas de PANDORA juntas
    Foi muita terra pública

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui