AGÊNCIA POUPA MARIDO DE MINISTERIÁVEL DE PUNIÇÃO

1
14
Deu na Folha de S. Paulo

Agência poupa de punição marido de ministeriável

 

Empresa de Colin Foster descumpriu contrato com a ANP e não foi punida

Pena poderia variar de advertência à perda de contrato; mulher de Foster é cotada para cargo próximo a Dilma

Fernanda Odilla

A empresa do marido de Maria das Graças Foster, diretora da Petrobras e nome cotado para o primeiro escalão do governo Dilma Rousseff, deixou de cumprir contrato com a ANP (Agência Nacional do Petróleo) e foi poupada de punição.

Mesmo depois de constatar que a C. Foster descumpriu o plano de trabalho inicial para explorar petróleo em Sergipe, a ANP isentou a empresa de punições, justificando que houve “fornecimento tardio” de informações pela Petrobras.

A decisão da ANP foi tomada em novembro de 2007, dois meses depois de Graça, como Maria das Graças Foster é conhecida, assumir diretoria de Gás e Energia da Petrobras.

Na resolução em que poupou a empresa, a ANP diz que a Petrobras forneceu com atraso “informação relevante e restrições ambientais” para a exploração.

De propriedade de Colin Foster, a C. Foster venceu leilão, em 2005, e assinou contrato com a ANP para explorar uma área inativa na Cidade de Pirambu (SE).

Assinante do jornal leia mais em Agência poupa marido de ministeriável de punição

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui