Agnelo estragou o Natal de muita gente no DF

1
12

Terceirizados de saúde e educação ainda não receberam 13º salário no DF

Segundo funcionários, verba de novembro chegou com atraso e descontada.

Desde o início do mês, categoria faz série de protestos em frente ao Buriti.
Do G1 DF

Trabalhadores terceirizados que prestam serviços para o Distrito Federal passaram o Natal sem receber o 13º salário e os auxílios de dezembro, que deveriam ter sido pagos até o dia 19. Para muitos, o salário relativo a novembro também chegou atrasado e com descontos, relativos aos protestos da última semana pelo pagamento em dia. O GDF afirma que o dinheiro deve cair na conta dos funcionários nesta sexta-feira (26).
“Foi triste, mas a sorte é que tenho família. Fui para a casa dos parentes, mas na minha, nap fiz nada. Todos querendo presente, mas eu não tenho como dar nada para ninguém” diz a servente Neide Alves Santos, que trabalha na limpeza de uma escola pública do DF como terceirizada. Segundo a moradora do Vale do Amanhecer, o salário de novembro chegou na quarta (24) e vai para o pagamento das contas que já estão vencidas, por conta da demora.
Segundo o sindicato da categoria, 30 mil terceirizados estão com 13º e benefícios atrasados desde o dia 20. A maior parte destes trabalhadores atua nas unidades de saúde e nas escolas públicas, em funções de serviços gerais e recepção. As empresas responsáveis pelos contratos alegam que o governo do DF não fez os pagamentos, mesmo com os serviços já prestados.
Crise de gestão
A equipe do governador eleito, Rodrigo Rollemberg, que assume o GDF na próxima semana, analisou as contas públicas a partir dos dados fornecidos pela gestão atual. Segundo o grupo, houve subestimação dos gastos e superestimação das receitas. A estimativa da transição é de que as contas fechem no vermelho, com déficit de R$ 3,8 bilhões. O governador Agnelo Queiroz afirma que não haverá déficit e que vai entregar o governo “no azul”.
Desde o início do mês, os terceirizados fizeram uma série de protestos no Eixo Monumental, em frente ao Palácio do Buriti, para cobrar o pagamento de salários atrasados. Na segunda-feira (22), o grupo voltou a protestar pelo pagamento do 13º, que deveria ter sido depositado no dia 19.
No mesmo dia, a Secretaria de Administração afirmou que as horas extras estão proibidas desde um decreto de 20 de novembro de 2014. Já o 13º tinha previsão para ser creditado na terça à noite (23). O BRB afirmou que aguardava a autorização do GDF para providenciar o crédito nas contas dos servidores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui