Agnelo Queiroz: “Os depósitos são legais”

    2
    11

    CPI revela pagamentos de Agnelo Queiroz a soldado que o acusou

     

     

     

    A Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga as ligações do contraventor Carlinhos Cachoeira com os políticos recebeu documentação bancária esta semana em que comprova, pela primeira vez, a amizade e os negócios entre o governador de Brasília, Agnelo Queiroz, e o soldado PM João Dias. Dados bancários enviados à CPI mostram que em março de 2008, quando ainda era diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Agnelo fez duas transferências bancárias para Dias, cada uma de R$ 2,5 mil. O governador sempre admitiu que conhecia João Dias e que o PM trabalhou na sua campanha, mas negava o vínculo de amizade. Agora, terá que explicar os dois depósitos de R$ 5 mil na conta de Dias. …

    João Dias foi candidato a deputado distrital em 2006 pelo PC do B, na ocasião o mesmo partido de Agnelo. Preso em abril de 2010 durante as investigações da Operação Shaolin, da Polícia Civil do Distrito Federal, Dias foi acusado em relatório da PF de ter desviado dinheiro recebido do programa Segundo Tempo, do ministério dos Esportes, na gestão Agnelo. Pelo menos R$ 2 milhões dos R$ 40 milhões repassados pelo ministério para duas OnGs dirigidas por Dias, teriam sido desviados para campanhas eleitorais, segundo o trabalho da PF. Os policiais indicam que Agnelo recebeu parte do dinheiro desviado. O policial também acusou o então secretário e depois ministro dos Esportes, Orlando Silva, de ter recebido dinheiro ilegal.

    Segundo reportagem da revista “Época”, a Polícia Civil do DF flagrou diversos telefonemas entre Agnelo e João Dias durante investigação relacionada ao programa Segundo Tempo. Nos diálogos, os dois tratam nas conversas da produção de documentos que justificassem os gastos das ONGs administradas pelo policial e que receberam verba do programa. O governador está em viagem pessoal a Argentina, mas informou a um dos secretários que os depósitos são legais.

    Por Leonel rocha

     

    Fonte: Época.com – Felipe Patury

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui