ÁUDIOS REVELAM CENSURA A PAULO BERINGHS EM GOIÁS

0
75
IMPRENSA
Áudios revelam censura a Paulo Beringhs em Goiás

Do Diário da Manhã, Goiânia

Horas antes de apresentar a segunda edição do noticiário da Televisão Brasil Central e denunciar ao vivo o ato de censura promovido praticado contra ele pelo presidente da Agência Goiana de Comunicação, Marcus Vinícius Faria Felipe, o jornalista Paulo Beringhs recebeu, em sua empresa, o colega de profissão Cléber Ferreira. Cléber havia decidido visitá-lo para deixá-lo a par da tentativa do governo de amordaçá-lo e para dizer que, se Paulo decidisse deixar a Agecom, ele deixaria junto. “Entramos naquela ‘buceta‘ juntos, vamos sair dessa ‘porra‘ juntos também, tá?”, disse Cléber, que então foi buscar o terno no carro para também participar daquela edição histórica do telejornal.

Participaram daquela reunião, além de Paulo e Cléber, o diretor comercial da empresa de Paulo, Luiz Fernando Dib, e o diretor administrativo, Reginaldo Alves da Nóbrega Júnior. Cléber alertou Paulo que Marcus Vinícius cogitava a possibilidade de tirar o programa do ar, mas que o próprio presidente da Agecom estava se convencendo que a melhor opção era nomear interventores para acompanhar a produção do noticiário. Esses interventores seriam Altair Tavares, atual diretor de jornalismo da Rádio 730, e Eduardo Horácio, que também trabalham na rádio.

Cléber relatou que, em conversa com “Marquinho”, o teria alertado que Paulo não aceitaria intervenção branca no seu programa. Ele teria dito ao presidente da Agecom: “entenda uma coisa, o Paulo é jornalista. E tem um negócio, a credibilidade que o Paulo tem, se juntar todos nós juntos, contra ele, ele põe no nosso rabo. Se ele falar assim ó, o elegante é branco, e nós falarmos não, o elefante é vermelho, vai ficar branco. A gente tem de bater de frente com quem a gente sabe que tem condição de atropelar”.

Este áudio foi entregue ontem à procuradoria eleitoral do Estado, que vai investigar a denúncia de censura contra a Agecom. Cléber, por sua vez, ao contrário do que havia prometido na reunião com Paulo, não pediu demissão junto com o colega, e continua na TV.
 

[Íntegra do áudio de uma reunião entre Cléber Ferreira, Paulo Beringhs, Luiz Fernando Dib e Reginaldo Alves da Nóbrega Júnior.]

Cléber – Semana passada…

Paulo – Quem?

Cléber – Falei com o Júnior, pra pedir para falar com você.

Cléber – Semana passada, o Marquinho… começou lá atrás, depois daquele negócio da Rachel [Azeredo]. ‘Eu não vou trazer a Raquel. Só que eu quero que você apresente os dois jornais. Eu não vou te pagar por isso, não por isso‘.

Cléber – Eu falei: não tem problema, desde que não mude o nome do jornal como a Susete está querendo. Porque ela queria tirar Goiás Verdade por causa do Túlio. Ele falou: ‘Aí você vai fazer um negócio: pra não ficar ruim pra mim,. o que precisa proteger o governo, você protege. Você não precisa mudar de candidato‘.

Cléber – Não, tá feito o trato!

Cléber – Quando foi semana passada, [disse]: ‘olha, nós vamos começar… semana que vem vai ter um anúncio dos secretários que apoiam Iris, e eu quero fazer aqui umas quatro entrevistas com os cabeças‘.

Cléber – Agora à tarde [20/10] eu cheguei lá pra falar com Marquinho, e ele tava discutindo com, com o Urias. Ele saiu logo no comecinho da tarde, ele saiu de lá.

Reginaldo – Brigando.

Cléber – Brigando. Eu não vou me meter nisso, eu já falei pra vocês que eu não vou fazer essa merda.

Paulo – O Urias falou?

Cléber – É, quando eles me viram, calaram. Marquinho irritado, Urias irritado. Aí calaram e ficaram sem graça, demais da conta. Aí eu fui no Valter Lútio, aquele negão, o que que tá acontecendo. Ele falou, não, não queira saber, é confusão pra nós. Mas eu preciso saber, uai. Eu tô no meio desse fogo cruzado e eu preciso saber.

Cléber: Ele falou: ‘não, o Marquinho tá contrariado demais com a forma que o Paulo está direcionando o programa dele, e tava pedindo pro Urias para tomar algumas providências. E o Urias falou pra ele que não vai fazer nada‘. Na verdade o Urias é Marconi por causa do Ademir. ‘Não vai fazer nada, que não vai se queimar nisso. Ele tá irritado demais‘ – Cléber ainda repetindo falas do Valter Lútio.

Cléber – Aí, falei nada, liguei pro Marquinho depois, como quem não sabia nada.

Cléber – O Marquinho, que que tá acontecendo? ‘Não umas coisas que não estão certas na televisão, tão saindo do controle da gente. E agora, é pressão por todo lado, pra todos os lados‘…

Cléber – Olha, eu já te disse que é preciso que você tenha habilidade. Um governo dura, no mínimo, quatro anos. Dependendo dele, oito. É preciso que você tenha habilidade, porque você continuar sobrevivendo, e sobretudo Marquinho, nós dois, é por isso que eu te digo para não ligar deste telefone da televisão.

Reginaldo – Tá gravando?

Cléber – Não sei, não sei. Ele é muito esperto. E nós dois sabemos que se mexer aqui nessa Agecom, você segurou muito pepino, pode dar na sua cabeça. Coisa de Ataualpa com Diário da Manhã, que já foi denunciada, outras coisas mais. Você precisa entender que se o Iris ganhar é bom pra você, e se ele não ganhar, você não pode parar, por exemplo, na cadeia. ‘Ah, mas o Iris pode virar‘.

Cléber – Não tô dizendo que o Iris não vira, não. Tô dizendo pra você que, e se não virar, como você vai ficar?

Cléber – Você quer abrir o jogo comigo? Ele falou: não. ‘Não é, é o Paulo. O Paulo faz as coisas lá no programa dele, aí vem uma pressão fudida em cima de mim, e eu já não sei o quê que eu faço. Eu não tenho coragem de pedir pra ele, nem nada‘. Eu falei: não deve pedir mesmo. Se você pedir pro Paulo, entenda uma coisa, o Paulo é jornalista. E tem um negócio, a credibilidade que o Paulo tem, se juntar todos nós juntos, contra ele, ele põe no nosso rabo. Se ele falar assim ó, o elegante é branco, e nós falarmos não, o elefante é vermelho, vai ficar branco. A gente tem de bater de frente com quem a gente sabe que tem condição de atropelar.

Cléber – ‘Você acha?‘ Eu falei não, acho não, eu conheço o Paulo. Eu era adolescente quando conheci o Paulo. Tudo o que eu faço eu me espelho no Paulo. O Paulo é um cara que tem credibilidade extrema. E outra coisa, personalidade dura. O Paulo não é menino, não é Cassim Zaidem, não. O Paulo não é menino não, tem personalidade, sabe da força que tem.

Cléber – Ele falou: ‘pois é, a desgraça é essa!” (risos)

Cléber – ‘Então vamos ver outra forma‘, ou seja, já tinha uma forma. Aí que ele me convocou. ‘Eu vou falar com os outros aqui, e vamos ver outra forma‘.

Cléber – ‘Eu tenho que me preocupar, porque depois eu estou aqui nesse olho do furacão, você tem toda razão. Que se mexerem em conta da Agecom, vão fuçar nisso aqui, pro governo não sobra nada, cada um vai cuidar da sua vida e eu fico fudido aqui‘. Aí eu falei ‘é, tem esse detalhe. Tem jeito de perder, e jeito de perder. Você pode perder em paz, ou você pode perder trazendo pra cima de você toda a máquina do governo pra levantar o que você fez. E ainda que você não tenha feito nada, alguém fez. E aí?

Cléber – ‘Não, você tem razão, vai existir outra forma mesmo, nós vamos viabilizar outra forma‘. Pois é, viabilize outra forma, mantenha a calma, entenda que você está numa disputa, que vai ter, que tem dois lados disputando, mas vai ter um que vai vencer. E o lado que você está, hoje, se a eleição fosse hoje, não venceria, e você trabalhou com o Seu Antônio, trabalhou, lá no Serpes. Você sabe que ele trabalhou com o Serpes, né. Trabalhou.

Fernando – Ele foi funcionário.

Cléber – É, foi funcionário lá.

Reginaldo – Mais um que achou, então!

Cléber – Você não sabia dessa não?

Reginaldo – Não.

Cléber – É, uai, você trabalhou com Seu Antônio. ‘Trabalhei‘.

Cléber – Você acha que isso tem jeito de virar, Marquinho? Só com número no papel? Pára e pensa nisso.

Cléber – Nesse momento eu estou sendo muito mais seu amigo. Entenda. Se o Iris ganhar, não acontece nada com o Paulo. Se o Marconi ganhar, você pode ir para na cadeia.

Cléber – Você acha que Cidim vai segurar a bucha de Marquinho? Vai? Segura?

Reginaldo – Aí tão querendo tirar o Paulo do ar?

Cléber – Não, já mudaram. Parece que a decisão seria uma, uma pressão ‘Ó Paulo, ou vai ser assim, ou vamos ter de tirar o jornal do ar mesmo‘. Certo? Já tão nesse momento, já tão mudando. ‘Mas o Paulo não é como você, ele não concilia‘. Eu falei, olha, é questão de estilo. O Paulo não precisa passar pelas coisas que eu estou passando. O Paulo não entrevistaria Ney Nogueira, eu entrevistei.

Paulo – Entrevistaria, sim. Já entrevistei tanto, entrevistei o Gedda…

Cléber – Melhor falar que você tem força, deixa de bobagem. Se eu falasse isso, melhor. Claro que eu sei que você entrevistaria até o Cidinho, até o Marquinho.

Reginaldo – O Cidinho, o Paulo convidou ele quatro anos seguidos e ele não foi. Aliás, ele só foi quando precisou de aparecer, depois ele não precisou mais, ele não foi nunca mais. O Cidinho como governador eleito não foi mais.

Cléber – Foi no meu uma vez, e só. Esse Ney Nogueira também, o dia que eu estive lá pra falar com ele, quando deu aquele problema, aquela confusão com o Braga, no meu contrato, ele não me recebeu.

Reginaldo – O Braga, o Paulo convidou ele quantas vezes? O Braga foi no seu programa? Foi naquela entrevista que era encomendada, eu cheguei lá e falei, olha, infelizmente eu não posso fazer mais essas perguntas que estão escritas aqui, não. Aí ele pegou e falou: ‘mas quem escreveu?‘ Veio da diretoria. Mas não vou fazer elas, não.

Reginaldo – O Marquinho que tinha escrito as perguntas?

Cléber – Eu acho que foi o Urias.

Reginaldo – O Urias?

Cléber – Sei lá quem era. Era igual o dia do comentário da Celg. Eram quatro laudas, bicho.

Reginaldo – Quatro páginas pra bater no Túlio, Paulo.

Cléber – Quatro laudas pra bater, pra falar dos caras que votaram, até o nome dos deputados era pra falar.

Cléber – Abre seu olho, certo? Não precisa é… eu passei pelo que ó.. o Paulo a força que o Paulo tem, se juntar todos nós, não temos.

Reginaldo – É, mais o Paulo não pode sair do ar. Sacanagem tirar o Paulo do ar.

Cléber – Você lembra daquela história do Nilson Gomes, porque respeita o leão?

Cléber – Se eu falasse, não coitado do Paulo, não faz isso com o Paulo não, o que que ia acontecer? O que que ia acontecer?

Silêncio

Paulo – É…

Cléber – Certo?

Paulo – Pois não.

Cléber – Por isso eu vim te colocar a par…

Fernando – Mas o que ele te falou aquele dia?

Cléber – O Marquinho?

Fernando – É.

Cléber – Não falou, eu só falei pra ele, falei pra ele olha, fique tranquilo, eu conheço o Paulo, o Paulo traz credibilidade. Não adianta. O que eu entendi, é que havia uma determinação e que ao longo da conversa, de uma [hora] pra cá ela foi mudando, o que eu não entendi foi isso.

Paulo – Que determinação foi essa?

Cléber – Eu acho que a determinação é pra te tirar do ar. Ou então pra chegar e falar pra você, não, agora vai ser assim.

Reginaldo – Mas esse…

Cléber – Aí você não iria aceitar, por exemplo, um… uma poderia acontecer, vão colocar o Eduardo Horácio com você.

Paulo – Uai, mas por que você não aceita?

Cléber – Não, eu vetei, não tem problema.

Reginaldo – Cléber, mas eles querem que o Paulo defenda o Iris agora?

Cléber – Não, eu falei pra ele que isso não cabe, gente.

Reginaldo – Não, mas o Paulo não está defendendo nem um lado, nem outro.

Cléber – Não, Júnior, isso tudo é fruto de fofoca. O Paulo não tá defendendo, o Marquinho provavelmente não vê o programa. Como estão perdendo, estão se apegando em tudo quanto é beirada… tudo quanto é beirada.

Cléber – Porque eles queriam levar esse tal de Eduardo Horácio pra trabalhar aqui. Você conhece a peça?

Paulo – De longe.

Reginaldo – Eduardo Horácio é o que trabalha na Rádio 730?

Cléber – É.

Reginaldo – Que trabalhava com o Vassil antes?

Cléber – É, é aquele rapaz.

Cléber – Aí eu falei para o Marquinho, falei: ‘não, formata eu sozinho, eu vou até o fim sozinho, ou então você põe ele, só‘.

Reginaldo – O Eduardo Horário não participa do programa do Vassil?

Cléber – Não, eu sei que ele gira, né.

Reginaldo – O Eduardo é só os Vanderlan, os ligados ao Vanderlan, que tem ódio do Marconi, o Eduardo Horácio, o Morgantini, lá o Morgantini…

Cléber – O Morgantini…

Reginaldo – Aquela menina que é assessora de imprensa da AMT, né e… será qe não é o povo da AMT batendo no morto.

Cléber – O Morgantini, ele é assessor de imprensa do prefeito de Anápolis. Ele é do PT.

Reginaldo – Ele é assessor de imprensa do PT? Então o programa do Vassil é só político.

Cléber – Ele é assessor de imprensa do prefeito.

Paulo – Ele pode, né.

Reginaldo – E aí o Paulo não pode falar de política?

Paulo – Esse pode levar tdo mundo pra um lado só. Eu levar dos dois não pode.

Cléber – Quer saber de uma coisa, é hora de ter habilidade. Essa que é a verdade.

Reginaldo – E qual foi, é a proposta que o Marcus Vinícius fez, era pra alguém apresentar com o Paulo?

Cléber – Não, não fez nenhuma. Eu disse à ele que o Paulo não aceitaria. Quando ele falou isso. ‘Ah, mas se eu por alguém lá pra amenizar as coisas?‘ Não, não aceita, eu conheço o Paulo. O Paulo não aceita, E quer saber de uma coisa, o Paulo não tem que aceitar mesmo, não.

Reginaldo – Não tem como.

Cléber – Não, você não conhece o cara não, rapaz. Você tá é louco. Indicar o Altair Tavares e por ele junto com o Paulo Beringhs.

Paulo – Ele me ligou hoje. Teria sido mera coincidência?

Reginaldo – Ah, é mesmo, o Altair Tavares te ligou hoje.

Reginaldo – Altair Tavares e Eduardo Horácio.

Cléber – Às vezes o meu entrou, depois da conversa que eu tive com ele, às vezes o meu tenha entrado. Eu nem posso. Você tá vendo o jeito que eu to no ar o tempo todo. Não tem jeito. No ar dia e noite.

Paulo – O Altair me ligou e falou: ‘oi, tudo bem, como vai, eu estou na sua cola. Que dia você vai me chamar pra participar do seu programa?‘

Fernando – Isso tudo foi armado.

Cléber – Ó Paulo. Pois é. Esses são, eram os nomes.

Reginaldo – O Altair Tavares, que é funcionário do Braga, que é marqueteiro do Iris.

Cléber – Eu disse que você não aceitaria. Eu disse ó, não mexam com o Paulo, tem força.

Paulo – Mas o que, que é que ele chegou a dizer que eu estaria fazendo de errado?

Cléber – Paulo, pra mim, eu tinha que ter ouvido era a conversa com o Urias, que eu não ouvi. Ouvi só o desentendimento. O que ele disse que você está atrapalhando a imagem dele com o seu programa, como presidente da Agência, passa a impressão que ele não tá tendo a autoridade necessária.

Reginaldo – Mas ele está sendo cobrado?

Fernando – O Urias falou isso?

Reginaldo – Não, o Marquinho.

Reginaldo – Mas o Marquinho está sendo cobrado pelo Braga por isso?

Cléber – Claro. Ele não falou isso pra mim, ele não é doido de falar isso pra mim, mas é claro que tá. Então, não aceita, Paulo.

Paulo – Claro que tá o quê, cobrado?

Reginaldo – Pelo Braga.

Cléber – Se vier com Eduardo Horácio, se vier com Altair Tavares, não aceite. E aí, me inclua no seu grupo.

Cléber – Se você falar assim: ‘tô saindo dessa bosta, eu e o Cleber…é…certo?

Paulo – Nós dois? De mãozinha dada?

Cléber – Entramos naquela ‘buceta‘ juntos, vamos sair dessa ‘porra‘ juntos também, tá?

Reginaldo – Tá, mas você tem terno?

Cléber – Hã?

Reginaldo – Você tem terno fácil?

Cléber – O terno que eu trabalhei tá dentro do carro.

Reginaldo – Então ótimo.

Cléber – Você sabe que hoje, amanhã e depois é terrível…

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui