Bruno Covas e a lição de Mike Tyson, escreve Hamilton Carvalho

0
12

SP: rodízio de carros não funcionou

Política pública foi equivocada

Lockdown: deveria ser declarado

Bruno Covas durante entrevista coletiva para comentar as ações de combate ao coronavírus realizadas pelo governo e a prefeitura de São PauloGoverno do Estado de São Paulo – 23.abr.2020

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, levou longuíssimos cinco dias para voltar atrás em uma das políticas públicas mais equivocadas desta pandemia, que foi a adoção de um rodízio radical como tentativa de controlar a disseminação do coronavírus na cidade.

A proibição de circulação de metade dos automóveis a cada dia da semana acabou se revelando um exemplo de livro-texto de como não intervir em um sistema complexo. Acompanhe comigo.

Inicialmente, ficou claro para quase todo o mundo que a política enfrentava apenas o sintoma do problema de fundo, enquanto gerava o potencial para agrava-lo, ao transferir trabalhadores que estavam usando transporte individual para ônibus, metrô e trens.

Por mais que as pessoas estivessem de máscara, por mais que houvesse mais ônibus disponíveis, o rodízio aumentou o risco de contágio por coronavírus ao colocar mais gente em veículos com pouca entrada de ar externo, como metrô e ônibus com ar condicionado.

De fato, houve aumento de 8% no número de passageiros do metrô, de 12% nos trens metropolitanos e, principalmente, relatos de aglomeração.

Especialistas rapidamente criticaram a iniciativa. Mas isso não foi suficiente para reverte-la. Pior, os índices de isolamento social, medido por dados de aparelhos celulares, mal se moveram desde o primeiro dia. Os cinco dias de insistência no erro foram uma eternidade em uma pandemia como a atual.

Pode-se argumentar que a ação era uma tentativa de sinalizar às pessoas a importância de ficar em casa. Mas há três problemas com isso.

Primeiro, não havia nenhuma experiência prévia em outro local do mundo. Que cidade tinha adotado a iniciativa e apresentado sucesso? Aparentemente nenhuma.

Segundo, a medida assumia que uma parte considerável das pessoas estava simplesmente flanando pela cidade e desobedecendo, por birra, às recomendações para ficar em casa. Lembro que Bruno Covas chegou a declarar, há algum tempo, que governar a cidade era como cuidar de adolescente (“é preciso falar o que ele tem de ouvir e não o que quer ouvir.”).

Mas o mais provável é que as pessoas nas ruas ou estavam envolvidas em atividades essenciais ou estavam simplesmente trabalhando em outras atividades, apesar dos pesares. Sem um lockdown declarado, estavam erradas? Não dá para terceirizar a responsabilidade do poder público para as pessoas, um erro recorrente nesta crise.

O terceiro problema com a medida é que ela ignorou aquilo que eu chamo de princípio Mike Tyson dos sistemas complexos. Em frase que se tornou célebre, o ex-boxeador declarou que todo o mundo tem um plano até levar um soco na boca.

Apesar da ilusão em contrário, ninguém controla o comportamento de um sistema social complexo, como uma cidade. O máximo a que se pode aspirar é influenciá-lo, com humildade, porque o sistema tem sempre potencial para sabotar qualquer intervenção que pretenda muda-lo. Ciclos ultrarrápidos de ação, feedback e aprendizado são o caminho, desde que embasados em uma compreensão sistêmica razoável.

Uma intervenção no ponto errado e com timing errado, por outro lado, costuma levar a um “soco na boca”, mas com um detalhe. A resposta de um sistema complexo raramente é imediata. No caso do rodízio radical, o soco pode vir em questão de semanas, caso a iniciativa tenha semeado mais contágio entre as pessoas. Um risco, em resumo, absolutamente desnecessário.

POÇO ENVENENADO

Em São Paulo já deveríamos ter decretado um lockdown há algumas semanas para controlar a besta da pandemia. Mas, em vez disso, o poder público tem apelado para medidas inócuas, como o rodízio fracassado, ou políticas corretas, mas bem atrasadas, como a obrigatoriedade do uso de máscaras –timing, repito, é essencial em uma pandemia. Minha avaliação do motivo disso ter acontecido tem relação com uma falácia conhecida como poço envenenado.

Nela, um dos oponentes apresenta previamente uma versão distorcida e negativa de quem defende uma posição diferente da sua. Isto é, envenena a água. Se o outro oponente acusa o golpe, é como se tivesse tomado da água impura.

João Doria parece ter caído nessa armadilha, preparada por bolsonaristas no início da crise, quando acenou com medidas mais duras no combate à pandemia e rapidamente ganhou a alcunha de ditadória entre seus detratores. Desde então, o governador parece agir cheio de dedos quando se trata de avançar em políticas impopulares.

O problema é que isso só prolonga nossa agonia. Ausentes novidades efetivas em tratamentos, precisamos de um lockdown, que não precisa ser perfeito (pode começar pelos locais mais críticos) e que inevitavelmente depende de uma ação dura do Estado, com polícia. Adiá-lo com providências inócuas –como esse inacreditável feriadão em que as pessoas estão livres para turistar pelo Estado– apenas tem alimentado a besta da pandemia, mais gorda a cada dia que passa.

Fonte: poder 360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui