CAIXA DE PANDORA: EURIDES TERIA LEVADO R$ 1,4 MI

2
16
OPERAÇÃO CAIXA DE PANDORA – DISTRITO FEDERAL
Eurides teria levado R$ 1,4 mi

Lilian Tahan e Ana Maria Campos, do Correio Braziliense

Durval Barbosa complicou, e muito, a situação da distrital Eurides Brito (PMDB). Até onde se sabia, por relatos do próprio ex-secretário de Relações Institucionais do GDF, a deputada havia recebido R$ 30 mil de propina. Cena que foi, inclusive, gravada e documentada como uma das evidências do esquema de corrupção relatado no Inquérito nº 650 do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em novo depoimento, desta vez à Comissão de Ética da Câmara Legislativa, Durval acusa a parlamentar de ter recebido 48 parcelas de R$ 30 mil. Ou seja: R$ 1,4 milhão em espécie. Durval afirma que os repasses ocorreram de 2003 a 2006 e que no governo de José Roberto Arruda (sem partido) os pagamentos se mantiveram, mas ficaram sob a responsabilidade do ex-chefe da Casa Civil José Geraldo Maciel.

As revelações de Durval são uma resposta à defesa de Eurides, que alega ter recebido os R$ 30 mil flagrados em vídeo a mando do ex-governador Joaquim Roriz (PSC) com o objetivo de quitar dívidas de campanha. Boa parte das 51 páginas produzidas com o testemunho de Durval à relatora do processo de quebra de decoro contra Eurides, Érika Kokay (PT), são dedicadas a explicar a participação da distrital peemedebista no suposto esquema do mensalão. O delator do escândalo que deu origem à Caixa de Pandora afirma, por exemplo, que gravou uma ocasião do acerto de contas com a distrital, mas poderia ter feito o mesmo outras 40 vezes (leia quadro).

Perguntado sobre a origem do dinheiro pago a Eurides, o ex-secretário de Relações Institucionais é certeiro: “Corrupção”. E acrescenta que “seria o retorno em relação aos contratos”.

Segundo Durval, Eurides sabia da procedência dos valores entregues por ele em função da existência de contratos na área de educação. Segundo o relato à Comissão de Ética da Câmara, Eurides não era operadora do esquema, mas se beneficiava dele, tendo “pleno conhecimento do que ocorria”. A distrital sempre teve ingerência na área de Educação. No primeiro mandato de Roriz, foi a secretária dessa pasta e, mesmo depois de deixar o cargo e voltar à Câmara, continuava indicando os nomes para o setor.

“Cara de pau”
Na versão apresentada pelo pivô do escândalo do mensalão que derrubou o governo Arruda, Eurides ficava à vontade para gastar o dinheiro como bem quisesse. “Não necessariamente na campanha. Podia ser de caráter particular, podia ser de… podia empregar onde quisesse. Agora, eu acredito que, no período da campanha, ela tenha empregado para fomentar a campanha. Agora, esse período todo foi campanha? Eu não acredito”, disse o depoente à Érika Kokay.

Durval chegou a chamar Eurides de “cara de pau” e “mentirosa”. “Depois de velho, eu acreditaria que ela, na condição de evangélica, poderia pegar uma passagem da Bíblia onde diz que ‘A verdade vos libertará’. E ela não vai conseguir se libertar porque não disse a verdade.” Sobre a hipótese de a deputada ter promovido eventos de campanha para Roriz em 2006, Durval achincalha: ‘Só se foi despacho de macumba, porque não acredito que uma pessoa esteja trabalhando para um candidato e fazendo promoção para outro”.

Eurides Brito rebateu as acusações, reforçando a versão de que recebeu dinheiro enviado por Roriz por intermédio de Durval para pagar eventos de campanha. “Se eu devesse alguma coisa a alguém não enfrentaria esse processo. Se estou aqui é porque tenho segurança da minha inocência.”

Brigas na CPI

A inclusão de Batista das Cooperativas (PRP) na lista dos distritais que supostamente receberam propina para votar de acordo com os interesses do governo tirou o deputado do sério. Durante interrogatório à Comissão de Ética na CPI da Câmara de Elisângela Rocha Pires, uma das testemunhas de defesa de Eurides Brito (PMDB), Batista enfrentou Durval Barbosa e Érika Kokay (PT), que relata o processo por quebra de decoro de Eurides. Para Batista, Durval teve uma postura revanchista e fantasiosa e Érika não tem “estabilidade emocional” de relatar o processo.

Batista alegou o enfarto recente de Érika como limitação do trabalho da distrital petista na Comissão de Ética. E ainda fez uma provocação que respinga em vários colegas: “O rolo compressor pega o PT, o PMDB, o PSDB…”. Érika Kokay reagiu às acusações e convidou o colega a citar os nomes e valores dos supostos petistas envolvidos em irregularidades. Batista disse que aquele não era o momento, mas que na hora certa essas informações iriam aparecer. Ele ainda ameaçou colocar a relatoria sob suspeição. Érika rebateu dizendo que tirá-la de sua função seria um golpe.

As recentes denúncias contra Batista e Dr. Charles não serão investigadas no âmbito do processo aberto contra Eurides. As novas acusações serão avaliadas pela Mesa Diretora da Câmara, que pode decidir pela abertura de processos de cassação de mandato. Essa, provavelmente, será a medida tomada pela maioria dos cinco integrantes da direção da Casa. Batista é parte da Mesa, mas é bem possível que seja voto vencido entre os colegas. (LT)

Mais denúncias

Leia trechos do depoimento do ex-secretário de Relações Institucionais do GDF Durval Barbosa prestado na última quinta-feira à deputada Érika Kokay, relatora do processo de quebra de decoro parlamentar contra Eurides Brito:

Érika – O senhor está dizendo que aquele recurso que apareceu…
Durval – Não foi o único.
Érika – Não foi o único.
Durval – Não foi o único.
Érika – Aquilo foi durante 2006?
Durval – Não, aquilo foi uma vez só que foi gravado. Se eu quisesse gravar, ter gravado 40 vezes, eu teria gravado 40 vezes.
Érika – Então, mensalmente, ela colhia dinheiro com o senhor.
Durval – Mensalmente, mensalmente, ela fazia aquilo para mim todos os meses.
(…)
Érika – Ela recebeu quanto por mês?
Durval – … 2003, 2004, 2005, 2006, ela recebeu até dezembro.
Érika – Ela recebeu 48 meses.
Durval – 48 meses, 30 mil reais por mês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui