CÂMARA FRAGMENTADA OBRIGA DEPUTADOS A SE AGRUPAREM PARA GANHAR FORÇA

0
8
DISTRITO FEDERAL
Câmara fragmentada obriga deputados a se agruparem para ganhar força

Lea Queiroz, Jornal da Comunidade

Sem tempo a perder, os 24 parlamentares eleitos para a Câmara Legislativa do DF estão a todo vapor nas negociações para formação de blocos a fim de garantir força de atuação numa Casa fragmentada pela presença de 17 partidos. Com tamanha segmentação, não há como minimizar a importância das alianças internas para demarcar espaços prioritários como cargos na mesa diretora e nas comissões permanentes, principalmente aquelas que são mais cobiçadas como a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), por onde passam, obrigatoriamente, todos os projetos. Autoridades indicadas para ocupar cargos como, por exemplo, a presidência do Banco de Brasília (BRB), devem ser sabatinadas pela CCJ; a Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (CEOF), por onde passam os recursos financeiros; e  a Comissão de Assuntos Fundiários (CAF), que em Brasília é um assunto peculiar e abriga conflitos de interesses poderosos.

Para alguns, como o deputado distrital reeleito Cristiano Araújo (PTB), é natural que sejam costuradas alianças com os partidos coligados para a eleição. Nesta lógica, ele estará em um bloco com o companheiro de coligação Evandro Garla (PRB). Além dessa parceria, Araújo fala de conversações praticamente fechadas com Aylton Gomes (PR), Benedito Domingos (PP), além de possibilidades com o professor Israel Batista (PDT) e Dr. Michel (PSL).
A Câmara do DF começa a ferver com as articulações e conversas em torno da ocupação de cargos e montagem de blocos de poder entre os eleitosFoto: Uesley Marcelino/CedocA Câmara do DF começa a ferver com as articulações e conversas em torno da ocupação de cargos e montagem de blocos de poder entre os eleitos

Presidência

Sobre a disputa pela presidência da Casa, Araújo acha que ainda é muito cedo para cogitar nomes, mas reforça que é legítima a pretensão tanto por parte dos novatos como dos veteranos. “Eu acho que nada impede que seja um novato ou um veterano, é legítimo. Na minha opinião teria que estar preparado. Acho que é muito cedo para falar em nomes para a presidência, mas qualquer um pode ser o presidente”, observa.

Para o parlamentar, seja quem for que assuma o comando da Casa, terá que firmar um compromisso de resgate do Legislativo local e de fortalecer esse poder, principalmente em sua independência. “Nós temos que ampliar nossas ferramentas de fiscalização do Executivo. É inaceitável que o Legislativo seja uma extensão do Executivo”, argumenta.

PT deve indicar o presidente da Casa

Um bloco naturalmente já formado é o do Partido dos Trabalhadores, que possui a maior bancada tendo conseguido eleger cinco parlamentares: Chico Leite, Arlete Sampaio, Cabo Patrício, Chico Vigilante e Wasny de Roure. Desse bloco deverá sair o novo presidente da Câmara Legislativa. Nos bastidores da política brasiliense é grande a expectativa de que Cabo Patrício volte a comandar a Casa, a exemplo do que já aconteceu em ocasiões anteriores. Patrício seria o nome mais indicado devido às articulações que têm feito e os apoios que recebeu de pessoas próximas a Agnelo Queiroz, tanto do PT quanto de fora dele.

Por outro lado, o nome de Arlete Sampaio também foi cogitado com o discurso de renovar a liderança da Casa. Embora já tenha sido deputada distrital com mandato de 2003 a 2006, Arlete representaria a nova leva de parlamentares que chegam para a próxima legislatura.

Outro nome ventilado para o cargo maior da mesa diretora é o do campeão de votos dessas eleições distritais, o deputado reeleito Chico Leite (PT). Ele não esconde o desejo de assumir o posto pautado pela luta que vem travando em aprovar normas moralizadoras do Legislativo no DF.

Chico Leite é autor dos projetos que puseram fim ao voto secreto e ao nepotismo na Câmara Legislativa do DF e também defende a transparência na prestação de contas daquela Casa. Embora tenha muita vontade e disposição para fazer a reforma da Câmara com valorização dos concursados entre outras ações, mais uma vez ele se colocou à disposição do partido e afirma que suas pretensões pessoais não podem se sobrepor à vontade de sua sigla e da maioria de seus companheiros.

Os aliados PPS, PSB e PDT

Outro bloco possível reúne o PPS, do deputado Cláudio Abrantes; o PSB, de Joe Valle; e o PDT, do professor Israel Batista. No entanto, a formação é incerta visto que Cristiano Araújo conta com Israel Batista em seu grupo. O professor foi procurado pela reportagem para dar mais informações sobre seu caso, mas não retornou às ligações até o fechamento desta edição. Já Joe Valle não quis antecipar nada e preferiu reforçar a importância de que os grupos possam garantir o resgate da imagem da Câmara e dar governabilidade.

“Levando-se em conta que a gente tem hoje 17 partidos, é preciso formar blocos para ter uma unidade maior de pensamento, uma unidade conceitual que possa inclusive trabalhar a Câmara como um todo. Que não seja só a questão de governo, mas fazer as decisões tão necessárias para que a gente possa melhorar a imagem diante da população”, observa.

Valle acredita que o novo presidente da Câmara tem que ser alguém afinado com o novo governador. “Nesse primeiro momento tem que ser alguém que faça um trabalho de mutirão por Brasília para que a gente possa colocá-la nos eixos”, reforça. No entanto, ele faz questão de destacar que o fato de estar afinado com o governador não significa ter “promiscuidade”, pois é preciso manter a identidade dos poderes Legislativo e Executivo. “Espero que tenha um norte que tanto seja do presidente da Câmara como do governador,  que seja o de ter uma Brasília melhor, modelo e vitrine do Brasil”. Ele acrescenta que o entendimento com a Câmara depende muito da habilidade do governador. “Eu sei que ele (Agnelo) tem a maturidade necessária para entender a relação com a Câmara”, completa. O parlamentar admite estar participando da negociação de blocos, mas considera que ainda é cedo para antecipar desfechos. 

Cargos em disputa

A Mesa Diretora da Câmara Legislativa do DF é eleita para um mandato biênio e possui cinco cargos titulares e três de suplência:

Presidente
Vice-Presidente
Primeiro-Secretário
Segundo-Secretário
Terceiro-Secretário
Suplente do 1º Secretário
Suplente do 2º Secretário
Suplente do 3º Secretário
Ouvidor
Corregedor

A Casa possui nove comissões permanentes. Cada comissão possui cinco membros titulares e três suplentes. São elas:

• Comissão de Constituição e Justiça (CCJ)
• Comissão de Economia Orçamento e Finanças (CEOF)
• Comissão de Assuntos Sociais (CAS)
• Comissão de Defesa do Consumidor (CDC)
• Comissão de Defesa Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar (CDDHCEDP)
• Comissão de Assuntos Fundiários (CAF)
• Comissão de Educação e Saúde (CES)
• Comissão de Segurança (CS)
• Comissão de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo (CDESCTMAT).

Formação de blocos é regimental
A formação de blocos entre os partidos dentro de uma legislatura permite maior representação de seus membros nos cargos de direção e também nas diferentes comissões. Segundo o Regimento Interno da CLDF, o número de lugares a que o partido ou bloco parlamentar pode concorrer em cada comissão é proporcional, dividindo-se o número de membros da Câmara Legislativa pelo número de membros de cada Comissão.

O número inteiro do quociente final representa o número de lugares a que o partido ou bloco parlamentar poderá concorrer em cada comissão. Os lugares remanescentes são fixados por escolha dos líderes, seguindo critérios como maior fração, maior número de legislaturas da bancada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui