Carreira docente ainda é pouco atrativa para jovens, em parte, por estereótipos e senso comum

0
10

 

Estudo do Instituto Península traz insights do mercado de trabalho do professor e fala da importância do planejamento da oferta e demanda de profissionais em todo o País
São Paulo, dezembro de 2021 — Para melhor retratar o cenário atual da profissão professor no Brasil e atrair jovens para a carreira, o Instituto Península — organização que busca a melhoria da qualidade da Educação brasileira e que acredita que o principal agente da transformação é o professor — acaba de lançar o documento Planejamento da Força de Trabalho Docente. O lançamento sistematiza o resultado de três estudos inéditos do Instituto, sendo que um deles foi realizado em parceria com pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Além de analisar a organização da oferta e demanda de professores da Educação Básica no País, o documento revela que a carreira docente ainda é pouco atrativa para os jovens. Especialmente, por estereótipos de “professor herói” — que precisa “salvar a Educação” sozinho, sem ajuda — e de que a profissão é sofrida. Entre diversos achados, o estudo ainda aponta a urgência em se pensar em um Sistema Nacional de Educação integrado para melhor planejar a oferta e demanda de professores nacionalmente, coordenando esferas federal, estaduais e municipais.
“Não basta apenas formar mais professores; é preciso planejar a distribuição deles no mercado de trabalho. Isso significa pensar, verdadeiramente, em quem escolhe entrar na carreira docente, bem como na sua formação continuada, porque esses fatores essenciais impactam o desenvolvimento e a aprendizagem dos alunos. Além disso, reter e alocar corretamente esses profissionais é muito importante — e, para isso, a profissão precisa ser competitiva frente a outras”, acredita Heloisa Morel, diretora executiva do Instituto Península.
Vale destacar que, dentro do setor púbico, o professor é a categoria mais numerosa, com 22% do total de vínculos empregatícios. Isso não significa, porém, que a demanda por educadores está sendo suprida adequadamente. Embora seja uma lógica complexa, diferentes áreas do governo podem e devem contribuir nos esforços de equilíbrio da oferta e demanda de professores nas redes de educação.
Cenário atual

Na última década, o estudo identificou uma melhora no número de professores disponíveis para atender aos alunos. Mesmo com essa boa notícia, a demanda das redes por educadores pode ser feita de maneira mais estratégica: em primeiro lugar, avaliando o número necessário de professores e, na sequência, pensando em alocar professores adequadamente para as disciplinas, de acordo com a sua formação.
O estudo encontrou também desafios de adequação da formação para a disciplina que o professor leciona, o que significa que ele dá aulas em mais de uma disciplina em todas as etapas de ensino. “Um professor formado em Física, por exemplo, acaba dando aulas de Matemática, pois é uma disciplina de Exatas”, exemplifica Heloisa. As áreas de conhecimento com mais dificuldades de adequação dos docentes são: Química, Sociologia, Educação Física, Artes e Filosofia. Ao olharmos para as regiões, Sudeste e Sul possuem melhor adequação do que as regiões Norte e Nordeste.
Uma das conclusões do estudo é que pode faltar professor qualificado no Brasil — ou seja, adequado à disciplina que leciona. “Portanto, é urgente criar espaços de discussão e planejamento da força de trabalho docente para definir acordos para atrair mais jovens para a carreira e para reter profissionais. Sem esquecer, é claro, do desenvolvimento profissional contínuo deste professor”, diz.
Senso comum

Quando o assunto é atratividade da carreira, o estudo identificou que a escolha dos jovens pela profissão é baseada em estereótipos e senso comum sobre a prática profissional. “O professor é sempre envolto em uma narrativa de heroísmo e sofrimento, que não representa a realidade da profissão. O professor não está sozinho para ensinar os alunos e ele também não pode ser encarado como herói ou vilão”, conta Heloisa. E complementa: “O momento é propício para melhor informar o jovem sobre a prática profissional do professor, suas competências necessárias, o mercado e as condições de trabalho, entre outros fatores que podem influenciar sua escolha. Especialmente, depois da profissão ter ganhado tanta visibilidade durante a pandemia e ter sido mais valorizada pelas famílias com crianças e adolescentes em idade escolar.”
Outro achado foi que há uma percepção dos jovens de que ser professor no Brasil não dá retorno financeiro. No entanto, a renda familiar dos jovens que participaram da pesquisa de Atratividade é de cerca de R$ 3.000, enquanto o piso salarial de um professor em início de carreira é de cerca de R$ 2.800 — ou seja, praticamente a renda de toda a família. O lugar onde os jovens moram também pode influenciar a escolha da profissão, dada a realidade da carreira em cada região: jovens do Ceará, por exemplo, têm maior predisposição para escolher a docência (15%) em contraste com os do Espírito Santo (0%).
Os estudos estão disponíveis para download gratuito no site do Instituto Península.
Sobre o Instituto Península

O Instituto Península é uma organização do terceiro setor que atua nas áreas de Educação e do Esporte. Trabalha para apoiar a valorização e profissionalização docente porque acredita que os professores são os principais agentes de transformação para uma Educação de qualidade no Brasil. Visa à formação integral de professores e estudantes para que sejam capazes de fazer escolhas melhores e terem uma vida mais plena. Foi fundado em 2010 pela família Abilio Diniz e tem como presidente do Conselho Ana Maria Diniz. Para mais informações, acesse .

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui