Chico Leite: Deputado do nem “sim”, nem “não”, desliga o telefone e deixa seu bloco na mão

0
22

Como sempre faz quando lhe cabe tomar uma decisão, Chico Leite desapareceu

Por Edson Sombra/Redação/Foto: Donny Silva

Conhecido entre alguns colegas de parlamento como “o fujão”, o deputado distrital Chico Leite (Rede) deu outra providencial desaparecida na noite desta terça-feira. Dependia do aval dele a entrada da deputada distrital Liliane Roriz (PTB) no bloco Sustentabilidade e Trabalho na Câmara Legislativa, composto também pelos deputados Joe Valle (PDT), Reginaldo Veras (PDT), Cláudio Abrantes (Rede), para compor as comissões na Casa. Liliane foi convidada pelo próprio presidente da Casa, Joe, e pelo colega Abrantes para se unir ao grupo. Ela também tinha a benção de Veras para entrar para o bloco. Mas… Chico Leite como sempre faz quando lhe cabe tomar uma decisão, desapareceu e não disse nem “sim”, nem “não”, muito pelo contrário.

 

Chico Leite amarga a fama de fujão desde muito tempo. Quando era do PT e tinha que discutir, opinar ou votar algo polêmico, desaparecia de fininho do plenário. Conquistou diversos mandatos levantando a bandeira da transparência e da ética, como se virtude fosse a algum político o fato de ser ético ou transparente. Vem mantendo sua profissão de político há anos. E assim, fugindo das discussões, “o Leite fresco vai talhando cada dia mais”.

 

Na tarde de ontem, quando a deputada Liliane Roriz não aceitou integrar um bloco que seria composto por dois deputados denunciados por ela própria ao MPDFT – o que gerou a Operação Dracon -, a distrital estava pronta para se juntar aos deputados do Sustentabilidade e Trabalho e garantir o coeficiente necessário para a eleição dos deputados de seu bloco. Para Liliane, ainda havia sido prometida a Comissão de defesa do Consumidor. Porém, com a fuga de Chico Leite e a falta de seu “aval” para que Liliane compusesse o bloco, a parlamentar preferiu ficar sozinha e os distritais do bloco de Leite, com o celular nas mãos, tentando contato com o ele. Em vão.

 

Mais uma vez fugiu e desligou o celular.

 

Na Câmara Legislativa, pouco antes de desaparecer, Chico Leite já havia expressado a alguns colegas e assessores que compor um bloco com Liliane Roriz poderia “pegar mal” para ele perante o Ministério Público. Ledo engano. Liliane nada deve ao MP. Pelo contrário. É testemunha essencial na Operação Dracon, onde denunciou parlamentares por suspeita de desvio de verba para pagar UTIs. Aliás, nada mais coerente que a distrital completasse o bloco “dos éticos” e não outro, que tivessem integrantes denunciados na Dracon.

 

O Chico fugiu. O leite talhou. Dificilmente Liliane Roriz ficará com a Comissão de Defesa do Consumidor como pretendia e como havia sido acordado com ela.

 

Dificilmente os deputados Joe Vallle e Wellington Luiz conseguirão honrar a promessa feita a Liliane de que ela seria a presidente da tal comissão. Para evitar embate com “o fujão” e para não ter que estar em um mesmo bloco que denunciados pela Operação Dracon, Liliane compôs com ela mesma. Dona de seu destino e de seu voto. Mesmo que isso lhe custe a comissão.

 

Já Chico Leite… deve reaparecer nas próximos horas na Câmara Legislativa, atrás de algum holofote ligado para dar entrevistas e falar com jornalistas, que é o que ele gosta. E como gosta.

 

 

 

 

Fonte: Blog do Sombra