Delmasso consegue suspender licitação do DFTRANS

1
10

 

Tribunal identifica possível sobrepreço e suspende licitação do DFTrans

Edital prevê R$ 24 milhões ao ano para operar sistema de bilhetagem.
Valor é 35% superior ao contrato atual; órgão diz que vai rever documentos.

Mateus Rodrigues Do G1 DF

O Tribunal de Contas do Distrito Federaldeterminou a suspensão de um pregão eletrônico do DFTrans que previa a contratação de 415 funcionários para o Sistema de Bilhetagem Automática (SBA) a um preço anual médio de R$ 24,17 milhões. Na decisão provisória editada nesta segunda-feira (2), o conselheiro José Roberto de Paiva Martins aponta possível sobrepreço de 35% em relação ao valor praticado hoje. Apesar da decisão do tribunal, o DFTrans informou que a licitação já havia sido suspensa devido a questionamento sobre valores dos salários previstos no edital, que estão em desacordo com o reajuste aprovado em 2015.

Segundo a análise do TCDF, o contrato atual custa R$ 1.488.105,30 por mês. Na licitação, o DFTrans estima um gasto 35% maior, de R$ 2.014.662,03 mensais. Se o valor fosse confirmado no pregão, a autarquia gastaria R$ 526,5 mil adicionais por mês com folha de pagamento. O pregão estava marcado para esta terça-feira (3). Não há data prevista para a nova concorrência.

Na elaboração do pregão, o DFTrans pesquisou o preço do serviço em três empresas e fez uma média entre os três orçamentos e o contrato atual. De acordo com o TCDF, uma das propostas de orçamento era 27% superior às demais, puxando o preço médio para cima e favorecendo o superfaturamento do contrato.

O tribunal também diz que o DFTrans deveria ter desconsiderado essa proposta mais alta. Como as empresas usam o salário-base das categorias para o cálculo, os “orçamentos ideais” teriam preços bem similares.

“Se excluíssemos do cálculo do valor médio estimado o valor da proposta apresentada pela empresa 1 (…), o novo valor médio a ser adotado seria da ordem de R$ 1.830.583,76, que é cerca de 23% superior ao preço atualmente praticado, e nos parece mais apropriado em
termos de estimativa a ser praticada”, afirma a decisão do TCDF.

O valor corrigido pelo tribunal representa uma redução de R$ 2,2 milhões por ano em relação à estimativa inicial da autarquia de transporte. Segundo o DFTrans, a sugestão será acatada na nova versão do edital.

Regime de contratação
O Tribunal de Contas também recomendou mudanças no regime de contratação escolhido pelo DFTrans para a licitação. O órgão optou pela “tomada de preços”, normalmente usada quando o governo não sabe o tamanho da própria necessidade. Nessa modalidade, os preços são fixados e a empresa se compromete a prestar todo o serviço, mas fica sujeita à demanda do setor público.

Em nota enviada ao G1, o DFTrans defendeu a escolha. “Nessa, modalidade a autarquia pode adquirir o serviço, estritamente, de acordo com as necessidades, reduzindo ou aumentando quantidades dentro do limite previsto no edital. Isso representa maior economia ao DFTrans”, diz o órgão.

O TCDF considera que o regime é inadequado, “posto que o quantitativo de funcionários a ser contratado é fixo (em função do número de cabines existentes em cada um dos locais de atendimento). Não há que se falar em imprevisibilidade do número de funcionários que
serão contratados.”

Segundo o DFTrans, a assessoria jurídica está avaliando se vai enviar as justificativas para a adoção do modelo ou se vai licitar pelo “menor preço global”, recomendado pelo tribunal.

Representação parlamentar
No fim da semana passada, o deputado Rodrigo Delmasso (PTN) abriu representação no TCDF questionando a mesma licitação. O parlamentar aponta falta de conclusão nos estudos técnicos do projeto básico, uso de tomada de preços de projetos anteriores e outras irregularidades formais.

Na análise, o conselheiro-relator do TCDF acatou parcialmente a representação e juntou à decisão liminar. “É um contrato grande, de R$ 24 milhões, que deve ser analisado com calma. A Comissão de Fiscalização, Governança, Transparência e Controle da Câmara já fez auditorias e identificou várias irregularidades no DFTrans, em anos anteriores”, diz Delmasso, vice-presidente do colegiado.

O parlamentar afirma que pretende convocar um representante da Subsecretaria de Licitações da Secretaria de Planejamento do GDF para discutir a normatização das contratações públicas. Desde o início do governo, no entanto, a responsabilidade pelas licitações foi transferida à Secretaria de Gestão Administrativa e Desburocratização. “Precisamos normatizar os textos de referência, dos projetos básicos. Uniformizar os métodos de precificações, da parte financeira, sobretudo dos pregões”, enumera.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui