DF e Entorno terão R$ 90 milhões para combate a violência contra jovens negros

0
4
Programa “Juventude Viva”, do governo federal, disponibilizará recursos às ações que reduzam riscos sociais para negros entre 15 e 29 anos

Lançado oficialmente hoje no Distrito Federal e Região Metropolitana, o plano “Juventude Viva” disponibilizará R$ 90,3 milhões em recursos do governo federal para a capital do país e também seis municípios vizinhos desenvolverem ações que reduzam os riscos sociais para jovens negros entre 15 e 29 anos.

“Temos que enfrentar esse problema com políticas públicas de educação, esporte e desenvolvimento, e não com repressão ou retirada de direitos. Temos obrigação de dar exemplo na capital do país de cidadania para os jovens negros”, destacou o governador Agnelo Queiroz durante lançamento do plano.

O DF será a terceira unidade da Federação a implantar o plano “Juventude Viva”, depois de Alagoas e Paraíba, mas terá como diferencial a integração com municípios do entorno (Santo Antônio do Descoberto, Águas Lindas de Goiás, Formosa, Luziânia, Novo Gama e Valparaíso).

Agora, será criado um comitê gestor para definir as ações que serão desenvolvidas, mas conforme adiantou o secretário de Promoção da Igualdade Racial do DF, Viridiano Custódio, serão criados centros para atendimento dos jovens nas cidades satélites.

Mapeamento da pasta apontou Itapoã, Estrutural, Ceilândia e Samambaia como os locais com maiores índices de mortalidade de jovens negros do Distrito Federal. “Focaremos em políticas públicas de educação, saúde e cultura nas regiões com maior índice de criminalidade”, acrescentou Custódio.

NÚMEROS- Segundo o “Mapa da Violência 2012”, com base em dados de 2010 do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, o DF é a quinta unidade da Federação com maior taxa de morte entre jovens negros (103,8 para cada grupo de 100 mil habitantes).

Em números gerais, o banco de dados do Serviço único de Saúde (SUS) mostra que, em 2010, foram registradas 880 mortes violentas no Distrito Federal, das quais 57,84% foram homicídios de jovens, com 88,41% das vitimas negras e 82,7% do sexo masculino.

“Eu podia estar nos índices de violência como vítima ou autor, escapei dessas tristes estatísticas, pois aqui no DF, se você é jovem, negro e da periferia, tem cinco vezes mais chances de morrer”, destacou o membro do conselho de juventude Akiní Aduni.

Em municípios da região metropolitana, como Novo Gama e Águas Lindas de Goiás, 100% das vítimas de homicídios entre 15 e 29 anos eram negros. “Estamos juntos para trazer a nossa juventude a inclusão social”, reforçou a prefeita de Valparaíso, professora Lucimar.

“Com esse plano estamos dizendo que a vida de uma pessoa negra, na contramão do racismo, vale tanto quanto a de qualquer outro ser humano”, ponderou a ministra-chefe da Secretaria de Políticas de Promoção de Igualdade Racial, Luiza Barros.

O Juventude Viva deve chegar este ano a São Paulo, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Pará. Desenvolvido em conjunto por 11 ministérios, o trabalho estará focado nos 132 municípios brasileiros com os maiores índices de mortalidade dessa parcela da população.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui