Eleição na Câmara Resistência se dissolve e Wasny é novo presidente

0
10

Nada de confronto. Não surgiu uma chapa de contestação e a nova Mesa Diretora da Câmara Legislativa  saiu quase como o Buriti queria. O deputado Wasny de Roure (PT) é o novo presidente e Agaciel Maia (PTC), o vice. Só houve um ajuste de última hora. …

A chapa oficial previa que a prime ira secretaria ficar ia com Washington Mesquita, único governista entre os quatro distritais do PSD. A escolha foi contestada pelas companheiras de bancada de Washington e os distritais acabaram escolhendo Eliana Pedrosa, por entender que era a indicação do bloco. As demais  secretarias foram para Israel Batista (PEN) e Aylton Gomes (PR). A definição da Mesa Diretora contempla o desenho feito pelo Executivo para o comando da Casa nos próximos dois anos.

As articulações para a eleição, que só acontece no último mês do biênio, começaram em janeiro deste ano e se estenderam até o último minuto que antecedeu a composição. Durante o dia, o governador Agnelo  Queiroz fez reuniões com a base aliada para reafirmar o compromisso ao plano A, de apoiar o petista Wasny. “Roriz, que era poderoso, perdeu a eleição da Mesa no segundo biênio. Arruda também era forte e perdeu. Formamos uma Mesa de consenso com Agnelo e Filippelli e  isso mostra a força política, feita por
uma nova modalidade de polit ica”, comemorou o líder do bloco PT-PRB, deputado Chico Vigilante.

Só a candidatura de Mesquita rachou o bloco de oposição, o PSD, que optou pela indicação da deputada
Eliana Pedrosa. Celina Leão apoiou Eliana, enquanto Liliane Roriz apoiou Washington. Depois, em nome do consenso, Liliane ficou com Eliana. Como lembraram depois os deputados, garantia-se assim representação à minoria.

Deu em nada articulação de dissidentes para redesenhar a Mesa Diretora e impor um não-petista. Desde a indicação do nome de Wasny pelo governador, deputados favoráveis à alternância de poderes se uniram para levantar um nome que pudesse derrotar o petista. Os distritais licenciados Cristiano Araújo (PTB) e Alírio Neto (PEN ) ensaiaram uma volta à Câmara para participar da votação. Não se conseguiu, porém, número para eleger um outro candidato, de oposição à indicação do governador.

Nas contas feitas durante quase todo o dia, 13 distritais teriam participado das negociação como descontentes, sem conseguir unir-se. Entretanto, para governistas, as contas não passaram de sete.

Veto cai, salários aumentarão

O veto do governador ao projeto de reajuste salarial do quadro de pessoal da Câmara Legislativa e do
Tribunal de Contas do DF foi derrubado pelos deputados distritais na madrugada de hoje. O veto não tinha acordo para ser analisado, mas o presidente Patrício voltou atrás no último minuto e incluiu o veto na pauta.

A decisão não agradou a todos os distritais. “Isso é um absurdo”, criticou o líder do bloco do PT-PRB, deputado Chico Vigilante (PT). Ao todo, 23 deputados foram a favor do reajuste. Segundo o distrital, o veto deveria ser analisado no próximo ano, em fevereiro, com calma, já que o impacto do reajuste poderá prejudicar as contas do DF. “Tem servidor que vai receber R$ 80 mil de pagamentos retroativos. Não sei se é justo ou não, mas isso precisa ser levado em conta, pois quem paga todos nós são os contribuintes e devem sabem quanto será paga a estes servidores”, justificou o deputado.

 

Por Camila Costa

 

Fonte: Jornal de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui