ELEIÇÕES 2010 – GASTOS TURBINADOS PARA DISTRITAL

0
12
ELEIÇÕES 2010 – DISTRITO FEDERAL
Gastos turbinados para distrital

Os candidatos a um cargo público no Distrito Federal já gastaram R$ 3.935.739,5. O valor foi declarado pelos próprios políticos na prestação parcial de contas à Justiça Eleitoral(1). O balanço financeiro é referente a julho. O valor arrecadado no período foi de R$ 6.337.083,66. Apesar da campanha à Câmara Legislativa requerer menos investimentos, 35 das 50 maiores despesas são de concorrentes a uma das 24 vagas de deputado distrital. O campeão de gastos, como antecipou o Correio na semana passada, é Joaquim Roriz, que tenta ser governador pela quinta vez. Ele declarou ter investido R$ 635 mil dos R$ 778 mil recebidos. Informações do Correio Braziliense.

Na segunda posição do ranking está Luiz Carlos Pietschmann (PMDB), o Pitiman, candidato a deputado federal. Ex-presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), ele nunca participou de uma campanha eleitoral, razão pela qual diz ter sido necessário turbinar os gastos iniciais. “Eu nunca usei verba pública para fazer promoção pessoal e, como não era conhecido, tive de desenvolver o trabalho antes dos outros”, explica. Pietschmann gastou R$ 216 mil. Segundo ele, o investimento será menor nos próximos meses. “No fim das eleições, a minha campanha será uma das mais baratas”, garante.

Apesar de ter o limite de gastos declarado em R$ 4 milhões, o candidato diz que não usará nem a metade do valor. Para os primeiros 30 dias, ele contou com R$ 245 mil em caixa. Mesmo assim, Pietschmann se queixa da falta de verbas. Ele afirma ter usado recursos particulares para financiar a campanha. “Espero que agora os doadores comecem a aparecer”, torce.

Somados os recursos de todos os postulantes a deputado distrital, o valor corresponde a 56% do total. Eles arrecadaram, juntos, R$ 3.564.725,82, e gastaram R$ 2.209.047,86. Dos cinco principais gastadores, dois são os candidatos a governador — Roriz e Agnelo Queiroz (PT) — e dois fazem parte da atual legislatura da Câmara dos Deputados. A deputada distrital Eliana Pedrosa (DEM) é a que mais investiu na reeleição. Só em julho foram R$ 216 mil de despesas.

O deputado distrital Cristiano Araújo (PTB) vem logo em seguida. Ele despejou R$ 147 mil para promover seu nome. O parlamentar investe pesado antes mesmo de ter a candidatura confirmada. Ele enfrentará, hoje ou amanhã, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do DF para tentar reverter a impugnação impetrada pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). Araújo, que tenta reeleição, pode ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa por ter sido condenado em ação de investigação judicial relacionada a abuso de poder econômico nas eleições de 2006.

Segundo o distrital, as despesas dele estão no topo da lista devido ao cuidado que tem na prestação de contas. Na campanha passada, Araújo também foi um dos mais gastadores. “Eu declaro tudo e peço para todo mundo do comitê detalhar e emitir nota de cada gasto”, afirma o deputado. Eliana Pedrosa foi procurada, mas não retornou às ligações feitas pela reportagem.

Cara nova
Outra cara nova nestas eleições também figura entre os líderes de receitas. Celina Leão (PMN) concorre com os atuais parlamentares para uma vaga na Câmara Legislativa. Ex-chefe de gabinete da distrital Jaqueline Roriz (PMN), Celina é uma das principais apostas dos investidores. Ela já conseguiu arrecadar R$ 274,5 mil e perde apenas para Joaquim Roriz no ranking divulgado pela Justiça Eleitoral. Até agora, a candidata gastou praticamente a metade: R$ 136 mil.

Agnelo Queiroz tem a maior previsão de gastos para a campanha deste ano — R$ 35 milhões. Até agora, é o quinto colocado na prestação de contas. A coligação do petista — Um Novo Caminho — declarou ter gasto apenas R$ 145 mil, quatro vezes menos do que o principal concorrente. Já o candidato a vice da chapa, Tadeu Filippelli (PMDB) conseguiu arrecadar R$ 90 mil, mas não gastou nada. Segundo a coordenação do grupo, os valores apresentados à Justiça Eleitoral refletem a realidade de um período muito pequeno e devem ter modificações significativas nas próximas prestações.

1 – Informe
A Justiça Eleitoral determinou a apresentação parcial de contas em duas etapas — em 3 de agosto e 3 de setembro. Nessa fase, são necessários apenas os dados de receita e despesa de campanha, discriminado em poucos itens de um formulário-padrão. Até o momento, os principais gastos foram com publicidade por materiais impressos.

O número

R$ 4 milhões
Total que os candidatos já gastaram desde o começo da campanha

Fonte: Carlos Honorato

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui