Eleições 2022 – Cenário para o Senado

0
22

Segundo análise feita pelo Blog na disputa ao Senado Federal, alguns nomes aparecem e outros desapareceram nas redes sociais. Em 2022, a vaga do senador Reguffe será bastante disputada. Reguffe não será candidato à reeleição e deverá disputar o Buriti ou ser candidato a vice de algum candidato à Presidência da República.

Em 2018, o eleitor brasiliense,  cansado de Cristovam Buarque, não o reelegeu. Buarque perdeu a cadeira no Senado para o tucano Izalci Lucas (PSDB).

Analisando o cenário e principalmente a atuação na mídia e nas redes sociais, os nomes que aparecem fortes na disputa ao Senado em 2022 são:

Fadi Faraj (PTB)

Fadi Fayez Faraj nasceu há 54 anos no Líbano. Naturalizado brasileiro, Faraj é pastor evangélico. Fundou a igreja Ministério da Fé, cuja matriz fica na cidade-satélite de Taguatinga (DF). Disputou as eleições de 2014 e elegeu-se segundo suplente na chapa do senador Reguffe (PODEMOS). Fadi foi inocentado de acusações e em 2018 recebeu quase 270 mil votos em sua primeira disputa eleitoral ao Senado pelo Patriota.  Recentemente assumiu o comando do PTB no Distrito Federal. Apoiado por Roberto Jefferson e Oswaldo Eustáquio, Fadi prepara o partido para disputar as eleições de 2022. Com discurso afinado com o presidente Jair Bolsonaro, Fadi será páreo duro para os adversários, principalmente se o setor produtivo e os evangélicos brasilienses fecharem apoio total à sua candidatura ao Senado.

Paula Belmonte 

Deputada Federal e esposa do empresário e advogado Felipe Belmonte, Paula têm tido grande destaque na Câmara e conseguiu ser a grande crítica e adversária política do governador Ibaneis Rocha (MDB). Paula Belmonte poderá disputar o Senado ou ser candidata à vice-governadora na chapa encabeçada por Reguffe (PODEMOS). Paula logo estará filiada a um novo partido.

Flávia Arruda (PR)

Esposa do ex-governador José Roberto Arruda, acusado de corrupção no âmbito da Operação Caixa de Pandora e Operação Panatenaico, a deputada federal licenciada que atualmente ocupa o cargo de secretária-geral da Presidência da República será candidata ao Senado ou ao Governo do Distrito Federal. Esse é o plano de seu ambicioso marido, que deseja vê-la no topo do poder. O clã Arruda tem muitos votos na periferia do DF mas não encontra muitos apoiadores entre os formadores de opinião.

Chico Leite (REDE)

Francisco Leite de Oliveira é natural de Milagres (CE).  Promotor público e professor de Direito, Chico Leite exerceu mandato na Câmara Distrital. Como promotor, atuou na área penal e na defesa da cidadania. Como deputado distrital, foi autor de leis pela transparência na administração pública. Em 2018 tentou ser senador mas não conseguiu. Ele recebeu 195 mil votos.

Fernando Marques (SOLIDARIEDADE)

Fernando de Castro Marques, 66 anos, é natural de Belo Horizonte (MG) e empresário. É proprietário da companhia farmacêutica União Química e diretor-presidente da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (Alanac). Foi vice-presidente do da ONG Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (Graacc). Foi candidato ao Senado em 2018 e obteve pouco mais de 124 mil votos, apesar da campanha milionária.

Paulo Roque (NOVO)

Paulo Roberto Roque Antonio Khouri, 51 anos, é natural de Cajuri (MG) e advogado. É especializado em direito do consumidor e foi comentarista do assunto na Rádio CBN durante 10 anos. Foi conselheiro da OAB-DF e diretor da Escola Superior de Advocacia da instituição. Foi candidato em 2018 e recebeu quase 203 mil votos.

Wasny De Roure (PT)

Wasny Nakle de Roure, 69 anos, é natural de Goiânia. Ele teve cinco mandatos como deputado distrital (1991-2003 e 2011-2018) e foi presidente da Câmara Legislativa do DF entre 2013 e 2015. Também foi deputado federal entre 2003 e 2007. Em 2018 disputou o Senado e recebeu 218 mil votos e não foi eleito. Ele deixou o PT e filiou-se ao PDT.

Esta análise é do atual momento. Até 2022, muita coisa pode mudar ou não. Vai depender da postura e discurso dos candidatos daqui até lá. Mas um fato é certo: a renovação será grande na disputa ao Senado e o projeto da direita é eleger 27 senadores! Enquanto isso, a esquerda chora, reclama e não aceita o voto impresso auditável…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui