ESCÂNDALO: GOVERNO DO DEM E A UTILIZAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL

2
14

A Polícia Federal encontrou muitos dados que revelam a participação de policiais e delegados (alguns aposentados) da Polícia Civil, que trabalhavam (ou ainda trabalham?) para o governo do DEM no Distrito Federal.

O governador afastado e preso José Roberto Arruda mantinha um fabuloso esquema de arapongagem para vigiar o vice-governador Paulo Octávio, deputados distritais, secretários entre outros.

Veja esta anotação feita por um araponga de Arruda, que lhe encaminhou relatório de ‘anotações pertinentes’ :

* PRODF – Todos os subsecretários da Secretaria de Desenvolvimento Social estão sendo interceptados. Alguns demonstram nas conversas serem simpatizantes do Joaquim Roriz. A medida excepcional foi provocada pelo MP e está sendo operacionalizada pela DECAP (Divisão de Crimes Contra a Adm Pública) do Depate. Eventualmente autoridades Superiores aparecem em ligações telefônicas (até o momemto sem comprometimento) Ex: Governador, Vice Governador etc solicitando informações sobre lotes. (MERECE CUIDADO!)

A utilização de parte da Polícia Civil ocorria de forma até mesmo às claras! Delegados e agentes honestos que tomaram conhecimento do fato, foram afastados ou transferidos para não ‘prejudicar’ o trabalho do governo em espionar aliados e opositores.

Até mesmo farto material comprometedor desapareceu na famosa Operação Aquarela, envolvendo gente muito próxima ao governador Arruda. Uma das empresas investigadas, a ASBACE, tem muita história para contar sobre o que ocorreu antes, durante e principalmente após a Operação. O Conselheiro afastado do Tribunal de Contas do DF, Domingos Lamoglia também sabe de muita coisa, assim como Francisco Soares, diretor do BRB, amigo pessoal de Arruda e ex-coordenador de campanha do governador afastado.

Dentro da cúpula do novo governo, a ideia principal era usar a Operação Aquarela para  retirar do BRB as empresas que lá estavam há muito tempo e colocar novas empresas ligadas à Lamoglia e Arruda, fato que foi consumado nos gabinetes de Lamoglia no Buritinga e em Águas Claras, quando ele era chefe de gabinete do governador do DEM. Um exemplo? A substituição da empresa brasiliense  ATP pela paulista Diebold Procomp, que primeiramente ganhou um contrato emergencial milionário e depois ‘ganhou’ uma licitação.

Até hoje o MP não sabe ao certo quanto foi desviado, (chegou a se falar em R$ 50 milhões) mas estranhamente bloqueou bens e contas bancárias que totalizam mais de R$500 milhões,  de empresas, ex-diretores do banco, entre outros. A Operação também não chegou à conclusão alguma por questões óbvias – teria pego gente do próprio governo de Arruda! A coisa ficou roxa…

A utlização de dados adquiridos por arapongas para intimidação, extorsão, chantagem e ações políticas, era fato comum dentro da estrutura do governo de Arruda. Só havia um detalhe: em seu governo, todos investigavam a todos, porque era muito bandido num saco só, e ninguém confiava em ninguém. Agora, é só aguardar para ver como o governo do DEM agia para se manter no poder. É muita lama!!! Contarei mais nos próximos dias.

No governo do DEM no DF, usar policiais para fins de enriquecimento ilítico era prática ‘normal’. Deus tenha misericórdia de nós!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui