GDF garante mais ônibus no Paranoá e em São Sebastião

    0
    7

     

    Uma semana após o GDF assumir o controle administrativo, operacional e financeiro das empresas de transporte coletivo Rápido Veneza, Viva Brasília e Rápido Brasília, integrantes do Grupo Amaral, os passageiros começam a perceber melhorias no serviço. Desde as 5h de hoje, os moradores do Paranoá e de São Sebastião contam com acréscimo de até 77% na frota em circulação.

    Em São Sebastião, a oferta de ônibus passou de 45 para 80 veículos em operação já nas primeiras horas da manhã – 35 veículos a mais, o que reforça o serviço em 77%. No Paranoá, o acréscimo no mesmo horário foi de 15 ônibus, passando de 35 para 50 o número de carros em operação – 42% de aumento.

    O reforço nos ônibus é resultado da manutenção realizada pela companhia de Transportes Coletivos de Brasília (TCB) nos veículos do Grupo Amaral e do remanejamento de frota que estava subaproveitada em outras linhas, como as de Ceilândia e Taguatinga, pelo Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans).

    O deslocamento da frota entre cidades é previsto em lei e foi definido com base na demanda da população. A expectativa é oferecer mais ônibus, até o final desta semana, aos moradores do Vale do Amanhecer, em Planaltina. Haverá reforço, ainda, em toda a cidade e também em Sobradinho.

    Manutenção – Desde quarta-feira (27/2), as três empresas do Grupo Amaral têm recebido equipamentos básicos de segurança. Entre eles, peças para os sistemas elétrico, de transmissão, de embreagem e de freios. Cerca de 30 mil litros de óleo lubrificante foram adquiridos para garantir as substituições dos próximos dois meses.

    A TCB também recebeu 163 pneus para a realização das primeiras trocas. A previsão é que serão necessárias pelo menos mil unidades para atender a toda a demanda das empresas. Durante o fim de semana, o trabalho com os veículos que estavam sucateados foi intensificado pela TCB. Com a substituição de todos os itens de segurança dos veículos, a expectativa é garantir que as interrupções nas viagens, causadas por falhas na manutenção, sejam cada vez menos frequentes.

    As equipes da companhia estão empenhadas, desde a última segunda-feira (25), em fazer o inventário preciso dos veículos, peças e equipamentos que agora estão sob a responsabilidade do governo. Até o momento, os técnicos identificaram que, dos 446 ônibus das três empresas, pelo menos 140, que representam 31% da frota, não podem ser recuperados e por isso não voltarão às ruas.

    Assunção – O Governo do Distrito Federal assumiu a gestão de três empresas integrantes do Grupo Amaral para garantir que 2,44 milhões de passageiros/ mês não ficassem sem o serviço. Foram 8 meses de preparação até que a medida, denominada “Assunção”, fosse adotada.

    Assumir a gestão das empresas foi o último recurso do GDF, após esgotadas as chances para que o serviço fosse ofertado integralmente. O Grupo Amaral firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) no ano passado. No entanto, as empresas não cumpriram as metas de investimentos, limites de frota e número de viagens. O transporte coletivo nas regiões administrativas de São Sebastião, Paranoá, Sobradinho e Planaltina estava, portanto, ameaçado.

    Até o momento, todas as etapas da Assunção seguem dentro do que foi planejado: o transporte diário dos passageiros que dependem dessas linhas está assegurado.

    A atual gestão tem agido dentro da mais absoluta legalidade para resguardar os direitos da população do Distrito Federal, em especial o direito ao transporte público de qualidade. Por isso, está licitando todo o Sistema de Transporte Público Coletivo e fazendo mudanças profundas nessa área.Informações da Agência Brasília.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui