GERALDO NAVES DEVE ASSUMIR CPI

0
14
DISTRITO FEDERAL
Aliado de Arruda deve assumir CPI

Aliado do governador José Roberto Arruda (sem partido), Geraldo Naves (DEM) deve ser o novo presidente da CPI da Corrupção na Câmara do DF no lugar de Alírio Neto (PPS). Neto deixou ontem a CPI -um dia depois de pedir em plenário o afastamento de Arruda. O deputado estava ameaçado de ser expulso do partido caso não trabalhasse pelo impeachment do governador. Neto optou por ficar em cima do muro e não influenciar na comissão. Assim, ele escapa da pressão partidária e ajuda Arruda a manter quatro aliados entre os cinco membros.

Ontem, Alírio Neto saiu do bloco que formava com o PMDB sob o pretexto de que não poderia ser aliado de um partido da base governista. Como a vaga na CPI pertencia ao bloco, na prática Neto abriu espaço para que outro deputado da base ocupasse a presidência da comissão. “Serei independente, estou apenas seguindo a orientação do partido. Mas ser oposição a Arruda já seria um exagero”, justificou o deputado.

Os três deputados do PMDB na Câmara são citados no escândalo do mensalão. Assim, o partido cedeu a vaga na comissão para o deputado Geraldo Naves (DEM), aliado de Arruda. O bloco, que tinha a presidência da CPI, indicou Naves para o cargo. O novo nome será confirmado na próxima sessão da comissão, amanhã. Geraldo Naves é segundo suplente na Câmara e foi alçado à vaga após a Operação Caixa de Pandora, quando Arruda remanejou deputados e secretários.

O deputado diz que fará um trabalho isento. “Faremos uma investigação séria. Nada muda com a minha entrada no lugar do deputado Alírio.” O presidente interino da Câmara, Cabo Patrício (PT), determinou que hoje seja feita a eleição do novo presidente da Câmara. Patrício comanda a Casa desde que Leonardo Prudente (ex-DEM) foi afastado do cargo, após aparecer em vídeo pondo dinheiro nas meias. Prudente renunciou anteontem.

Como Arruda tem 19 aliados na Câmara, um governista deverá ser eleito para comandar os trabalhos da Casa durante as investigações contra o governador e oito deputados. Dois nomes são os mais cotados: Eliana Pedrosa (DEM), ex-secretária de Arruda, e Wilson Lima (PR), também aliado. Os deputados também definem hoje os novos membros da Comissão de Constituição e Justiça -primeira etapa da análise do impeachment de Arruda – e da comissão especial que julgará o governador.

Estava marcado para ontem o depoimento de Durval Barbosa, pivô do mensalão, na CPI, mas o delator pediu o adiamento de sua participação. Em carta, Barbosa disse que, “como denunciante da maior roubalheira documentada, jamais iria se submeter a questionamentos meramente políticos, oriundos de parlamentares pertencentes a uma Casa apoteoticamente desorganizada”. Aos deputados, Barbosa havia dito que precisava de mais tempo para saber quais inquéritos seriam beneficiados pela colaboração à Justiça.

Informações da Folha de S.Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui