Gravações no Buriti: Rollemberg acredita que não há motivos para criação de CPI

0
9

Diante dos holofotes, os parlamentares se revoltaram com o vazamento de áudios de uma reunião entre eles e o chefe do Executivo no Buriti

As 22 assinaturas de deputados não devem se transformar em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o polêmico vazamento de áudios de uma reunião entre os parlamentares e o governador Rodrigo Rollemberg.

Esta é a avaliação do próprio governador. …
RRCPI
Diante dos holofotes, os parlamentares se revoltaram com o vazamento de áudios de uma reunião entre eles e o chefe do Executivo no Buriti. Na conversa, os distritais pedem, abertamente, cargos e espaço na máquina pública. Indignados, os políticos engatilharam a abertura de uma investigação pela Câmara Legislativa. O governador pondera: “Acho que não tem motivo nenhum para ter uma CPI. Acho que isso não vai prosperar”.

Desde o primeiro momento da divulgação dos áudios pela internet, o governo se posicionou ao lado dos deputados e defendeu que a conversa na reunião foi normal e dentro da legalidade. O GDF abriu uma investigação na Polícia Civil, acionando o próprio diretor-geral, Eric Seba. Além disso, levantou o discurso de que as gravações foram editadas, justamente para minar as relações entre Executivo e Legislativo.

“Entendo que essa não é uma agenda da cidade. A cidade quer uma agenda do desenvolvimento, quer uma agenda da melhoria da qualidade dos serviços públicos. É nessa agenda que nós estamos interessados”, afirmou.

Ato simbólico

Pelos bastidores, comenta-se que a coleta de assinaturas foi feita como um ato simbólico. Muitos parlamentares estão receosos quanto à abertura de uma CPI. Afinal, eles próprios também seriam alvo de apuração.

Reaproximação

Mesmo diante do redemoinho político do vazamento das gravações, o Buriti planeja continuar com o projeto de reconstrução das pontes políticas. Nos primeiros seis meses de poder, o governo adotou uma postura extremamente fechada, tendo todas as decisões centralizadas. Postura que gerou desgaste não apenas com a Câmara, mas com os partidos aliados.

A reabertura começou com a renovação do diálogo com o PDT em consecutivas reuniões desde a semana passada. O governador até chamou o partido para o Conselho Político.

“Nosso objetivo é fazer na semana que vem fazer uma reunião mais ampla, procurando fazer uma prestação de contas dos nossos primeiros seis meses de governo”, revelou.

O governo estuda chamar para a conversa os partidos aliados e o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Na reunião, o Buriti promete, mais uma vez, mostrar com clareza quais serão as prioridades para os próximos meses.

Saiba mais

Nas gravações, os deputados falam que o governo precisa redistribuir as “fatias do bolo” para atender à todos os aliados de forma igualitária.

Os parlamentares declaram que o governo não tem um “secretário deputado” e que a classe política não estaria dentro do governo.

Rollemberg garantiu que o governo não tem “preocupação nenhuma” com o conteúdo das conversas que se tem no Buriti.

Fonte: Por Francisco Dutra/Jornal de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui