HERANÇA MALDITA ADITADA E PRORROGADA

4
51

O governo de Agnelo Queiroz parece que não leva em consideração os resultados das CPIs, muitas das quais presididas e relatadas por parlamentares petistas.  Para não ser diferente, a Secretaria de Educação acaba de celebrar o 5º Termo Aditivo ao Contrato nº 36/2007 com a empresa Moura Transportes Ltda, prorrogando os serviços de transporte escolar urbano e rural de alunos das escolas públicas por mais 12 meses. A herança é maldita mesmo, fruto de investigação de uma CPI.

foto: Brasília em OFF

Geraldo Alves de Moura, dono da empresa Moura Transportes e que assina os contratos com a secretária Regina Vinhaes, foi indiciado pela CPI da Educação, instalada na Câmara Legislativa em 2006, com o objetivo de investigar denúncias de irregularidades, ilegalidades e imoralidades na secretaria de Estado de Educação, entre 1995 e 2005, relativas à contratação de professores em regime temporário e às licitações para transporte de alunos da rede pública de educação, bem como o envolvimento de autoridades públicas dos Poderes Legislativo e Executivo do Distrito Federal, materializadas em inquéritos do Ministério Público do Distrito Federal e em diversas matérias veiculadas pela mídia local e nacional . O então deputado distrital e hoje secretário de Governo Paulo Tadeu (foto) foi o relator da Comissão Parlamentar de Inquérito que sugeriu o indiciamento de Geraldo Moura e demais envolvidos. Regina Vinhaes, a secretária de Educação, é apadrinhada de Tadeu.

foto: Brasília em OFF

Geraldo Moura teve o indiciamento baseado nos seguintes crimes: fraude à licitação pública; execução fraudulenta de contrato e; crimes contra a administração pública e o Sistema Financeiro Nacional. Ao todo, foram indiciadas 22 pessoas. Figuram na lista: Eurides Brito, ex-deputada; Sandro de Morais Vieira, atual assessor da deputada Celina Leão (PMN), e;  o metido a “playboy” Manoel Carneiro de Mendonça Neto (foto), atual administrador regional de Águas Claras , subordinado direto de Paulo Tadeu e apadrinhado do deputado Olair Francisco (PTdoB).
O valor do novo Termo Aditivo é de R$ 2.568.660,00 (dois milhões, quinhentos e sessenta e oito mil, seiscentos e sessenta reais). A secretaria lançou Nota de Empenho inicial nº 91/2011-FUNDEB, em 01/06/2011, sob o evento nº 400091, na modalidade Global, no valor de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais). Quanto à qualidade e à segurança dos ônibus, estes são apenas detalhes que não devem ser levados em conta por ambas as partes.
O contrato com a Moura Transportes só revela que a “herança maldita”, não  é tão maldita assim para o governo petista, pois as suas posturas e condutas continuam as mesmas dos governos anteriores…

Fonte: Brasília em OFF

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui