Jogo de xadrez na política brasiliense

0
26

O prazo para filiação e troca de partidos estão na reta final. Roriz se filiou ao PRTB e anunciou que entrará na briga pelo Governo do Distrito Federal. Agnelo confirmou união com Filippelli para concorrer à reeleição. Além disso, os deputados Eliana Pedrosa e Luiz Pitiman são cotados para disputar o Palácio do Buriti

 JURANA LOPES
jcosta@grupocomunidade.com.br

 

O ex-governador Joaquim Roriz se filiou ao PRTB e informou que entrará na disputa para o Governo do Distrito FederalFoto: Mary Leal/CedocO ex-governador Joaquim Roriz se filiou ao PRTB e informou que entrará na disputa para o Governo do Distrito Federal

A corrida contra o tempo começou para quem pretende trocar de partido e concorrer a algum cargo político no próximo ano. Dia 5 de outubro é o prazo final determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para filiação de pré-candidatos às eleições de 2014. 
No cenário político do Distrito Federal as mudanças começaram. No início da semana, a deputada distrital Eliana Pedrosa se desligou do PSD e se filiou ao PPS. A ficha de filiação foi assinada durante ato no auditório da Câmara Legislativa, que recebeu 1,5 mil pessoas com faixas e gritos de apoio. Além de Eliana, o PPS também anunciou as entradas de líderes comunitários.
Ao lado do presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire, e do secretário-geral, deputado federal Rubens Bueno, a parlamentar ressaltou a importância do PPS e disse que o debate vai nortear o trabalho da sigla. “Podemos debater e chegar à proposta mais ideal para melhorarmos nossa cidade. Sinto-me honrada e feliz por compor o quadro deste partido que não tem medo de mudanças. Que ousou quando precisou ousar”, disse. Freire afirmou que o ingresso de Eliana representa uma maior perspectiva no combate à corrupção.
Na última quinta-feira (26) foi a vez de Luiz Pitiman mudar de legenda. O deputado federal deixou o PMDB e se filiou ao PSDB. Após quatro meses de análise, o TSE atendeu o pedido de desfiliação. O evento contou com a presença do senador Aécio Neves, presidente dos tucanos, que destacou o quanto a entrada de Pitiman e dos 32 novos integrantes é expressiva e significa um tempo novo do partido.

 

A aliança entre Agnelo Queiroz e Tadeu Felippelli será mantida para as eleições de 2014, conforme anúncio do PT e do PMDBFoto: Roberto Castro / GDFA aliança entre Agnelo Queiroz e Tadeu Felippelli será mantida para as eleições de 2014, conforme anúncio do PT e do PMDB

Pitiman informou que está mudando de partido por não concordar com as ações do atual governo, pelo qual foi eleito. Além disso, criticou a maneira de administração do Governo do Distrito Federal (GDF) e também do governo federal, ambos comandados pelo PT. “O que eu vi na atual gestão do DF é que existe mais do mesmo, são ações que não vão de acordo com o que foi prometido ao povo. Precisamos mudar o Brasil e a nossa cidade, com uma gestão de responsabilidade e ética”, disse. Na visão do deputado, houve uma sucessão de erros e escândalos nos governos federal e distrital. 
Para Aécio Neves, o ato significa que o partido entrará na disputa para vencer no DF e no Brasil. “A população de Brasília está cansada de desilusões seguidas. E o PSDB vem para ser um novo caminho”, disse Aécio. O senador ressaltou que é de extrema necessidade encerrar o ciclo do governo petista. “Estou sentindo que não há mais espaço para esse governo que só faz mal ao Brasil. Pelas viagens que fiz em todo o país pude perceber que o Brasil se tornou um cemitério de obras inacabadas”.
Aécio informou que no momento certo o PSDB apresentará o candidato ao GDF e que as duas campanhas, nacional e do DF, andarão juntas. “A política é feita com seriedade e ética e nós já temos um novo projeto de gestão pública eficiente para a capital do país. Afinal, tudo que acontece aqui repercute em todo o Brasil e vamos mostrar aos brasilienses que tem como mudar para melhor”, finalizou.
Quem também mudará de partido será o deputado distrital Washington Mesquita. A carta de desfiliação já foi protocolada no Diretório Regional PSD-DF e no Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal. Washington está a caminho do PTB, após ter sido cortejado por diversos partidos, inclusive o PT.

 

Aécio Neves esteve presente na filiação de Luiz Pitiman ao PSDB no dia 26Foto: Gabriel AzevedoAécio Neves esteve presente na filiação de Luiz Pitiman ao PSDB no dia 26

Washington informou que quando decidiu ir para o PSD, em 2012, tinha o projeto de fazer parte da base do governo Agnelo, e com isso facilitar seu trânsito para os projetos em prol do Distrito Federal. Mas, o partido nunca se posicionou quanto ao seu apoio ao governo, ficando ele como único membro governista do PSD, o que dificultou a permanência no grupo. 
“Recebi convites de diversas siglas, debati com muita gente, no entanto, em conversa com o senador Gim Argello e com o presidente nacional do PTB, Benito Gama, fiquei convencido de que o PTB é a melhor opção para edificar um sólido grupo político na nossa capital”, destacou. A filiação na nova legenda ocorrerá na quarta-feira (2), às 19h, no auditório da Câmara Legislativa.

 

Roriz entra na briga

 

O ex-governador Joaquim Roriz se filiou ao PRTB e informou que entrará na disputa pelo Palácio do Buriti. O partido é presidido no DF pelo ex-senador Luiz Estevão. Em reunião na casa de Roriz, aliados analisaram o cenário político e optaram pela legenda de Estevão. Além do PRTB, havia a possibilidade de ir para o PMN. Segundo Roriz, a atual gestão está maltratando a cidade e por isso, ele está ingressando no PRTB para ser candidato ao governo.

Eliana Pedrosa se desligou do PSD e se filiou ao PPS e disse que agora faz parte de um partido que não tem medo de mudançaFoto: DivulgaçãoEliana Pedrosa se desligou do PSD e se filiou ao PPS e disse que agora faz parte de um partido que não tem medo de mudança

Antes disso, Roriz também cogitou a entrada no PSD, mas, como o partido deve apoiar a presidente Dilma Rousseff, o ex-governador preferiu não se filiar à sigla. Depois do episódio, Roriz foi convidado por Alberto Fraga, presidente do Democratas no DF, para se filiar ao partido e aceitou a proposta. Entretanto, a Executiva Nacional rejeitou a filiação.
A deputada distrital Liliane Roriz, atualmente no PSD, também vai migrar com o pai para o PRTB. Com a filiação, o cenário político deve ser influenciado e é provável que outros nomes de destaque busquem espaço no partido de Estevão para se aliarem à Roriz, que possui um enorme quantitativo de eleitores.
Roriz renunciou ao mandato de senador em 2007 para fugir da cassação, o que se enquadra nos critérios de inelegibilidade da Lei da Ficha Limpa. Mas, aconselhado por advogados, ele espera conseguir reverter a situação. Para o advogado de Roriz, Eládio Carneiro, o ex-governador é elegível. Além disso, ele argumenta que o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda não se curvaram sobre o fato de que a Ficha Limpa não deve retroagir.
A CLDF aprovou as contas referentes à gestão do ex-governador José Roberto Arruda, em 2008, o que deixa-o livre para concorrer às eleições. Entretanto, Arruda ainda não se filiou a nenhuma legenda. A expectativa é que ele anuncie uma filiação na próxima semana.

 

Disputa acirrada
A aliança entre o governador Agnelo Queiroz e o vice-governador Tadeu Filippelli, será mantida no DF para a disputa das eleições de 2014, conforme anúncio feito esta semana durante almoço dos representantes do Executivo local com o presidente nacional do PT, Rui Falcão, e o 1º vice-presidente do PMDB, Valdir Raupp.
“Quando tomamos uma medida política como essa, dá muito mais energia, determinação e só quem ganha é a cidade. Estamos reafirmando projetos, que vão se traduzir em melhor qualidade de vida”, frisou o governador Agnelo Queiroz.
Para o vice-governador Tadeu Filippelli, a atual aliança contribuiu para o progresso do DF e, por isso, no próximo ano, pretende repetir com êxito a mesma parceria. “Esse almoço foi extremamente importante para a reedição da aliança. Olhe bem a palavra que usamos: não é reconstrução, já que em momento algum foi desconstruído.
É uma reedição da aliança, e é lógico que ela pressupõe atenção de ambas as partes para a consolidação”, destacou Filippelli.
No entendimento do presidente nacional do PT, Rui Falcão, ajustes sobre a aliança deverão ser feitos, de forma célere. “Agnelo e Filippelli, junto com as direções nacional e estadual, deram o primeiro grande passo para a reedição da aliança que foi vitoriosa aqui no DF”, enfatizou.

 

Novos partidos
O TSE aprovou, em sessão na noite de terça-feira (24), o registro eleitoral do Solidariedade e do Partido Republicano da Ordem Social (PROS), ampliando para 32 o número de siglas eleitorais no Brasil. O tribunal entendeu que ambos os partidos conseguiram coletar as 492 mil assinaturas necessárias para obter o registro nacional. Com isso, Solidariedade e PROS podem disputar a eleição de 2014. A legislação eleitoral permite que políticos de outras siglas migrem para os partidos novos sem que, com a mudança, percam seus mandatos.

Solidariedade – No DF, a legenda será presidida pelo deputado federal Augusto Carvalho, que deve se coligar com o seu antigo partido, o PPS. A maioria do tribunal foi favorável à criação do partido Solidariedade mesmo após o Ministério Público Eleitoral apontar indícios de fraude que poderiam “comprometer” a legalidade da legenda. Entre as denúncias estão indícios de utilização do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal para fraudar assinaturas.
O Solidariedade foi fundado pelo deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força Sindical. A legenda será identificada com o número 77. Já o PROS foi fundado em 2010. O presidente do novo partido é Euripedes Gomes de Macedo Junior, que já foi filiado ao PSL de Goiás. A legenda será identificada com o número 90.

PROS – O deputado federal Ronaldo Fonseca (PR) é o nome mais cotado para assumir a presidência da legenda no DF. O tribunal também foi favorável à criação do PROS mesmo com as suspeitas de irregularidades no registro das assinaturas em vários cartórios eleitorais.

Rede Sustentabilidade – A ex-senadora Marina Silva voltou a pedir ao TSE que conceda registro ao partido Rede Sustentabilidade, legenda fundada por ela. Marina esteve com o ministro Marco Aurélio para reafirmar que o partido cumpriu todos os requisitos pedidos pela Justiça Eleitoral e tem o mínimo de assinaturas para obter o registro. Para participar das eleições do ano que vem, o partido tem que ser registrado até o dia 5 de outubro.

 Fonte: Jornal da Comunidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui