Novo partido político mostra força no Entorno

2
8

O PSD, do ex-governador do DF Rogério Rosso, e o PTB, do senador Gim Argello, são as legendas que mais elegeram prefeitos na região. Em Luziânia, aliança entre rorizistas e petistas consagrou candidato da chapa

 

Mais de 600 mil pessoas foram às urnas nos 22 municípios que integram a região do Entorno: segundo balanço da Polícia Militar do Estado, a votação de ontem ocorreu dentro da normalidade

O recém-criado PSD, presidido no DF pelo ex-governador Rogério Rosso, é um dos destaques nas eleições do Entorno. Na primeira disputa, a legenda que reuniu políticos de várias agremiações descontentes em fazer oposição nacional à presidente Dilma Rousseff conseguiu emplacar quatro prefeitos em municípios de Goiás: Luiz Attié, que renovou mandato em Cristalina, Cristóvão Tormin em Luziânia, Itamar Barreto, em Formosa, e Hélio Raimundo, em Vila Boa. O partido disputou como cabeça de chapa em seis cidades e conseguiu ainda formar a segunda maior bancada de vereadores na região. Foram eleitos 31 representantes nas câmaras municipais, atrás apenas do PSDB, tradicional na região, que levou 35 cadeiras.

Presidido no DF pelo senador Gim Argello, o PTB também teve um bom desempenho, ao fazer três prefeitos. Uma das principais vitórias do petebista foi manter o poderio em Cidade Ocidental, município a 48 quilômetros do Distrito Federal. Conseguiu eleger Giselle Araújo (PTB), com 54,29% dos votos, numa disputa acirrada contra o candidato petista, Lula, que usou o nome do ex-presidente da República e obteve 45,71% dos votos. O PTB fez prefeito também em Águas Lindas, com a vitória do deputado estadual Hildo do Candango, que derrotou a expectativa de Geraldo Messias (PP) em se manter mais quatro anos no poder. Em Unaí, Minas Gerais, o também deputado estadual mineiro Delvito Alves ganhou o pleito, com 49,88% dos votos.

Em Luziânia, terra de Joaquim Roriz (sem partido), houve uma vitória inusitada. O novo prefeito é parente do ex-governador do DF, teve o apoio dele na campanha, principalmente com a presença constante da deputada distrital Liliane Roriz (PSD) no palanque do candidato, e também de petistas como o presidente da Câmara Legislativa, Patrício (PT). É a primeira aliança entre rorizistas e petistas no município, uma demonstração de que a antiga inimizade política pode arrefecer até mesmo no Distrito Federal. Deputado estadual de Goiás, Cristóvão Tormin contou ainda com a ajuda do chefe da Casa Civil do governo de Marconi Perillo, Vilmar Rocha, presidente do PSD-GO.

Além da vitória em Luziânia, onde emplacaram o vice, Didi Viana, petistas comemoravam ontem o resultado das urnas em Valparaíso de Goiás. Apoiada por petistas de Brasília, entre os quais o governador Agnelo Queiroz (PT) e o deputado distrital Chico Vigilante, Professora Lucimar (PT) derrotou a atual prefeita, Leda Borges, do PSDB. Na cidade, houve o embate mais duro entre petistas e tucanos, principais adversários em âmbito nacional.

Investida tucana

A campanha de Leda era uma das principais investidas dos tucanos na região. Segundo dados prestados à Justiça Eleitoral, a prefeita de Valparaíso foi a candidata que mais arrecadou no Entorno — R$ 500 mil, de acordo com informações parciais. Foi uma revanche que envolveu petistas de Brasília. Em 2008, Professora Lucimar tentou, sem sucesso, assumir o comando de um dos municípios mais próximos do DF, a apenas 37 quilômetros da capital federal. Perdeu para a tucana Leda Borges.

No caso de Professora Lucimar e de todo o Entorno, Agnelo deu apoio, mas não se envolveu diretamente na campanha. Ele liberou aliados a apostarem nas candidaturas dos partidos de sua base, mas não subiu em palanque, não gravou participações em horários eleitorais e esteve distante. Na reta final, o governador nem estava em Brasília. Ele viajou para Cingapura e Japão, na semana passada, em missão oficial internacional.

Em tratamento de saúde, Roriz evitou o corpo a corpo com os eleitores, mas ajudou nas campanhas de aliados. Além de Cristóvão Tormin, que é seu parente, ele comemorou o resultado em Planaltina de Goiás, onde Zé Neto (PSC), um antigo aliado, foi reeleito. Apontado como possível candidato à sucessão de Agnelo Queiroz, o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) se engajou na campanha, principalmente nos últimos 45 dias. O PSB não tinha candidatos competitivos em nenhum dos 22 municípios do Entorno, onde 602.922 eleitores votaram ontem. Com um bom desempenho nacional, principalmente pela vitória de Geraldo Júlio (PSB), como prefeito do Recife, em primeiro turno, o PSB elegeu apenas 12 vereadores no Entorno e os únicos dois candidatos a prefeito, em Abadiânia e Santo Antônio do Descoberto, terminaram em último lugar.

Rollemberg, no entanto, apoiou nomes de outras legendas, como Hildo do Candango e João de Deus (PPS-GO), em Água Fria. Ambos eleitos. O PSB aposta na performance de Alan Barbosa, eleito em Alto Paraíso, cidade a 250 quilômetros do DF, fora da Região Integrada de Desenvolvimento do Entorno do DF (Ride), com 64,83% dos votos.

tabuleiro eleitoral

Quem ganha

 (Monique Renne/CB/D.A Press - 15/12/10)

PSD
Criado há apenas um ano, o PSD, na sua estreia nas urnas, teve uma boa performance nas eleições do Entorno. Elegeu quatro prefeitos (Cristalina, Formosa, Vila Boa e Luziânia) e também conquistou a segunda maior bancada de vereadores, com 31 eleitos, atrás apenas do PSDB. Em Goiás, esse é um mérito do presidente regional do partido, Vilmar Rocha, chefe da Casa Civil do governador Marconi Perillo (PSDB). No DF, é uma vitória do presidente local, o ex-governador
Rogério Rosso, que planeja se candidatar a uma vaga de deputado federal em 2014 e sempre apostou no Entorno como base eleitoral.

 (Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press - 4/5/11)

PTB
O partido do senador Gim Argello fez três prefeitos. Conseguiu derrotar o atual prefeito de Águas Lindas, Geraldo Messias (PP), com a vitória do deputado estadual Hildo do Candango (PTB-GO). Em Cidade Ocidental, Gim manteve o poderio que exercia na gestão de Alex Batista (PR), com a eleição de Giselle Araújo (PTB) contra o petista Lula. Em Unaí (MG), também foi eleito um petebista: o deputado estadual Delvito Alves. Com planos de concorrer a um novo mandato de senador, Gim ampliou o cacife no Entorno ao conseguir emplacar um aliado também em Cristalina. Reeleito, Luiz Attié teve o apoio do petebista.

 (Iano Andrade/CB/D.A Press - 3/10/10)

Joaquim Roriz
Mesmo distante da política, o ex-governador conseguiu emplacar uma aliança inusitada em sua cidade natal. O deputado estadual Cristóvão Tormin (PSD-GO) foi eleito com 70% dos votos. Foi uma aliança entre rorizistas, como a deputada distrital Liliane Roriz (PSD), e petistas, a exemplo do presidente da Câmara Legislativa, Patrício (PT). Uma demonstração de que os atritos do passado, a depender de interesses comuns, poderá ser ultrapassado em outras eleições.

Quem perde

PSDB
O partido que sempre teve muita força no Entorno conseguiu eleger a maior bancada de vereadores, com 35 representantes. Mas perdeu espaço em cidades importantes, como Valparaíso, Alexânia, Novo Gama e Pirenópolis. Em Valparaíso, a tucana Leda Borges, candidata à reeleição, saiu derrotada justamente para o partido que mais lhe faz oposição. Professora Lucimar (PT) venceu na disputa mais acirrada entre o PT e o PSDB no Entorno. Concorrente à reeleição, Cida do Gelo (PSDB), em Alexânia, não conseguiu ainda validar sua candidatura e seus votos nem sequer foram computados pela Justiça Eleitoral.

 (Monique Renne/D.A Press - 12/6/12)

Marconi Perillo (PSDB)
Por causa das denúncias da Operação Monte Carlo e a CPI do Cachoeira, o governador de Goiás não se envolveu diretamente na campanha eleitoral do Entorno. Mandou representantes, como o presidente do PSD-GO, Vilmar Rocha, mas evitou o contato com o eleitor. Com o desgaste das denúncias, Perillo acabou perdendo espaço num dos municípios que sempre foi sua base eleitoral, Pirenópolis, onde o candidato do PSDB, Rogério Figueiredo, não conseguiu se eleger. Em Novo Gama, a deputada estadual Sônia Chaves (PSDB-GO) foi escalada como um trunfo. Ela, no entanto, perdeu para Everaldo Detran (PPL), com 59% dos votos.

Agnelo Queiroz (PT)
O governador do DF não marcou posição na campanha eleitoral no Entorno. Ele preferiu não se engajar nas candidaturas de representantes do PT e de partidos aliados. Com o bom desempenho do PSD, onde estão abrigados hoje seus principais adversários na Câmara Legislativa, o Entorno pode se tornar uma resistência a seu governo.

 

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui