OS ELEMENTOS DO ARREPENDIMENTO SINCERO

3
88

Os jornais hoje dão destaque ao pedido de perdão pelos pecados feito por José Roberto Arruda, que, protagoniza o escândalo conhecido como mensalão do DEM, deflagrado pela operação caixa de Pandora, da polícia federal.

O escândalo da moda tem cenas que escancaram a má-fé, em qualquer acepção que a expressão possa ser interpretada. A oração da propina exemplificou o desrespeito para com as pessoas religiosas.

Hoje, a notícia é sobre o pedido de perdão feito por Arruda, em mais um capítulo de exploração religiosa e de escárnio para com os que são religiosos.

O fato de pessoas religiosas pecarem não é algo surpreendente. Religião, em sua etimologia, traz a idéia de religar o homem com Deus. O desligamento provocado pelo pecado. O pedido de perdão, franqueado a todos, é fruto da vontade do homem de estar ligado ao Ser supremo.

O perdão dos pecados, graça de Deus, traz em si o próprio perdão, acrescido da graça especial para não incidir no pecado. Quanto mais sincero o arrependimento, maior a força para não incidir no mesmo erro. Cair e levantar é o principal apanágio da vida do Cristão, que combaterá até o fim de sua vida.

Arruda pedir perdão é, no sentido religioso do tema, algo louvável. Mas não basta pedir perdão, é preciso que ele seja sincero e que seja acompanhado de ações que comprovem o arrependimento, sob pena de não passar de um ato exterior vazio.

O Catecismo da Igreja Católica é muito explicativo sobre o assunto, ao dizer que “Cristo instituiu o sacramento da Penitência para todos os membros de sua Igreja, antes de tudo para aqueles que, depois do Batismo, cometeram pecado grave e com isso perderam a graça batismal e feriram a comunhão eclesial”. Igreja que é aberta a todos – por pior que seja o pecado – que queiram receber gratuitamente o perdão dos pecados e unir-se ao mistério pascal.

As fases necessárias para obtenção do pecado passam pela contrição, aquela em que homem auto avalia as condutas, pensamentos e omissões de sua vida e se reconhece como pecador e carecedor da misericórdia divina. É um exame de consciência. A confissão, propriamente dita, em que o pecado é assumido é confessado. É um ato concreto de quem após reconhecer a sua condição humana de pecador, pede perdão, que será concedido por Deus, que sempre está sedento para perdoar. É um mistério que faz parte do amor de Deus. O terceiro elemento da estrutura da obtenção do perdão é a satisfação. A Igreja explica “é preciso fazer o possível para reparar o mal (por exemplo, restituir as coisas roubadas, restabelecer a reputação daquele que foi caluniado, etc.)”. O arrependimento importa em aceitar as consequências do pecado. A simples justiça exige isso. O Concílio de Trento é bastante claro ao ensinar que “a absolvição tira o pecado, mas não remedeia todas as desordens que ele causou”.

Não tenho autoridade moral para julgar a sinceridade do pedido de perdão de Arruda e nem de qualquer outra pessoa. Espero que o pedido de perdão seja sincero, mas, assim como preciso ser lembrado todos os dias pela Igreja, seria bom que ele fosse advertido de que aceitar o peso da Cruz é um exercício difícil, mas que torna o arrependimento realmente eficaz.

Acho oportuno dizer tais coisas, pois evitaria um reducionismo inconcebível e inaceitável sobre a dimensão de um grande mistério do amor de Deus, o perdão dos pecados. Não tenho autoridade eclesiástica ou conhecimentos suficientes de teologia ou ainda amadurecimento religioso suficiente para explicar a profundidade de tal mistério. Santo Padre Pio, em diversas oportunidade negou o sacramento do perdão, pois conseguia perceber que a não-aceitação das consequências do pecado fazia com que o arrependimento não fosse sincero.

Lembrar ao Arruda, e a todos, em especial a mim mesmo, que na estrutura fundamental da obtenção do pecado existe três elementos, análise da consciência, confissão e aceitação da penitência e das consequências do pecado me parece importante. Digo mais, na minha vida, a maior dificuldade não é me reconhecer como pecador ou pedir perdão, mas aceitar que sofrimentos que experimento devem ser encarados como pena justa, até leve, pelas consequência do mal que pratico. Dr. André de Moura

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui