Pai de santo usava “entidades” para estuprar jovens virgens, diz polícia

0
3
O homem usava reuniões espirituais como forma de atrair as meninas

A polícia prendeu na manhã desta segunda-feira (24/3) um pai de santo suspeito de ter abusado sexualmente de adolescentes, no Guará. As meninas tinham entre 15 e 11 anos quando começaram a sofrer os abusos, segundo a polícia.
De acordo com a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), a mãe de uma das meninas começou a levar as garotas para um centro espírita no Guará em 2012. Com o tempo, o homem de 47 anos passou a marcar reuniões individuais com as garotas em que dizia que espíritos do passado teriam se relacionado sexualmente com elas e, por meio do corpo dele, queriam se relacionar de novo.

Além dos abusos, a DPCA informou que ele dizia às meninas ameaças feitas pelas entidades, no caso de elas recusarem as relações. As garotas também não podiam contar a ninguém sobre o que ocorria, para que os espíritos não providenciassem acidentes, como atropelamentos.

Leia mais notícias em Cidades

As garotas teriam indicado o centro a algumas amigas, que, segundo a delegacia, também sofreram estupros por parte do sacerdote. Alguns boatos começaram a circular entre as vítimas de que elas podiam estar sendo alvo de abuso. Foi quando a mãe de uma delas descobriu e as levou para dar queixa à delegacia.

Testes do Instituto Médico Legal confirmaram o rompimento do hímen das garotas de 17 e 13 anos, o que para a polícia é um dos indícios do abuso.

O sacerdote espiritual negou as acusações. Ele alegou que nunca esteve apenas com as meninas durante essas reuniões. O homem também informou que uma das garotas teria se insinuado para ele, após ter perdido a virgindade no Rio de Janeiro. Segundo ele, ela teria ameaçado contar a mãe possível estupro, caso o pai de santo não tivesse relações sexuais com ela.

A DPCA trabalha com a hipótese de que haja novas vítimas. O homem pode responder por estupro de vulnerável, estupro mediante fraude e por perturbação de tranquilidade.

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui