PALOCCI E A OPERAÇÃO SUSPEITA

7
6

Casa Civil

Coaf disse à PF que empresa de Palocci fez operação suspeita

Empresa teria feito negócio com firma investigada pela Polícia Federal, segundo relatório do Conselho de Atividades Financeiras

O Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), vinculado ao Ministério da Fazenda, enviou relatório à Polícia Federal (PF) comunicando que a empresa Projeto, do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, fez uma operação financeira suspeita na compra de um imóvel de uma empresa que estava sob investigação policial. A manifestação do Coaf ocorreu há cerca de seis meses, depois de o órgão ser informado do episódio pelo banco que intermediou a transação financeira.

As aquisições realizadas pela empresa no ano passado multiplicaram por 20 o patrimônio do ministro – que hoje chega a 7 milhões de reais. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, decidiu pedir informações ao petista sobre os negócios da firma.

Fontes do Ministério da Fazenda em São Paulo revelaram que o comunicado do Coaf à PF se enquadra no tipo de “movimentação atípica”, “operação suspeita”. O procedimento funciona da seguinte maneira: os bancos informam ao Coaf sobre transações financeiras fora do padrão. Em cima dessas informações, o órgão da Fazenda repassa à PF e ao Ministério Público relatórios quando uma empresa ou uma pessoa sob investigação aparece nos comunicados dos bancos.

No caso de Palocci, o nome da Projeto surge nas transações atípicas envolvendo uma empresa que está sob investigação pela Polícia Federal. No ano passado, a empresa do ministro adquiriu dois imóveis em São Paulo: um apartamento luxuoso de 6,6 milhões de reais e um escritório avaliado em 882 mil reais. O Coaf não tem poder de investigação. Cabe à Polícia Federal apurar se há ou não irregularidades na transação financeira entre a empresa do ministro da Casa Civil e a que está sob investigação.

Procurado ontem pela reportagem, Palocci informou, por meio de sua assessoria, que desconhece o episódio. Disse que não foi informado do envio do relatório do Coaf à PF. O Palácio do Planalto acredita que o Coaf não vai se manifestar publicamente sobre o caso e espera que a PF diga que a empresa de Palocci não está sendo investigada.

(Com Agência Estado)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui