Representatividade nos Bombeiros: conheça histórias de superação de negros da corporação

0
33

Na última reportagem da série sobre negros nas forças de Segurança do Distrito Federal, o Correio reúne histórias de superação e de orgulho daqueles que integram uma das corporações mais tradicionais da cidade

SP
Sarah Peres

 

(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Um olhar carrega muitos significados. Amor, carinho, admiração. Mas, também, pode refletir um preconceito centenário, fruto de racismo estrutural. A discriminação pode ser silenciosa, mas ensurdece aqueles que a sofrem. Estudo da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), com dados coletados pela Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios de 2018 (Pdad), mostra os reflexos desse cenário na distribuição de renda: 69,9% da população das regiões administrativas de baixa renda do Distrito Federal é preta.

Tula Andrelina precisou encarar o racismo e a privação financeira da família para se tornar a primeira a se formar no ensino superior, ser pós-graduada e concursada. Por outro lado, Cristianne estudou nas melhores escolas do Distrito Federal, mas teve de encarar pressões sociais por ser a única mulher negra em diversos ambientes. Já Bárbara cresceu em um dos bairros mais nobres da capital, mas, por integrar uma família de sete pessoas, cresceu sem conforto financeiro. Marcus viveu em Ceilândia e, desde novo, precisou trabalhar para auxiliar na renda familiar.

As quatro histórias têm em comum a luta para a ascensão social e o sonho de integrar o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Os anos de esforço foram recompensados com a aprovação em concurso público e, atualmente, eles são quatro dos 425 pretos da corporação. O número representa 3,9% dos mais de 10,7 mil servidores ativos e inativos. Cristianne, Tula, Bárbara e Marcus contam as trajetórias de vida na última reportagem sobre integrantes da Segurança Pública do DF para o especial Histórias da Consciência.

Autodeclaração de cor entre militares do CBMDF

Não declararam: 3.850 (35,7%)
Pardos: 3.292 (30,5%)
Brancos: 1.798 (16,6%)
Amarelos: 1.383 (12,8%)
Pretos: 425 (3,9%)
Indígenas: 19 (0,1%)
Total de Militares: 10.767
Fonte: DITIC/CBMDF

Reflexos da luta diária

Cristianne Antunes, 45 anos, nasceu no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. É a segunda filha do militar da aeronáutica Jurandir Oliveira Antunes, 75 anos, e da professora de educação infantil Sueli da Silva Antunes, 69. O casal mudou-se para o Distrito Federal quando a tenente-coronel tinha apenas quatro meses, acompanhado, também, do filho mais velho, o tenente-coronel da Polícia Militar do DF Marcus Vinicius, 47. Em solo candango, tiveram a terceira filha, a advogada Adriana, 40.

A família chegou à capital do país em 1975, após Jurandir ser transferido pela Aeronáutica. Moraram em diferentes imóveis na Asa Sul e Cristianne cresceu com condição financeira confortável. “Meus pais priorizavam os estudos e tive acesso às melhores escolas. Mas, foi nesses ambientes que me vi como a única negra da turma, por exemplo. Então, desde muito nova, tive a dimensão da representatividade negra em todos os ambientes, inclusive, os de maior privilégio”, afirma.

A tenente-coronel destaca que entende como seu papel de levar a discussão sobre o preconceito racial para ambientes que não se voltam tanto a esses assuntos. “A questão de ter tido uma vida confortável não tirou de mim a consciência quanto à importância da representatividade negra em todas as camadas sociais. Em diversos ambientes, nós vemos e ouvimos expressões discriminatórias que são normalizadas. Não podemos aceitar e deixar isso passar. Não basta não ser racista, tem de ser antirracista”, acrescenta a militar.

A autoconsciência como mulher negra ocorreu graças à instrução da mãe. “Desde nova, minha mãe me explicou sobre os desafios das questões de raça e gênero, pois a mulher negra é predestinada a esses dois desafios. Então, sempre fui incentivada a estudar, a ter minha independência financeira e a conquistar o meu espaço no mundo. Recorrentemente, minha mãe dizia: ‘Filha, as pessoas vão te olhar como se você não tivesse capacidade por ser negra, mas isso não é verdade. É preciso buscar tudo o que se sonha’”, relembra.

E foi com o incentivo no seio familiar que Cristianne fez a prova que mudou sua vida: o concurso dos bombeiros, em 1994. Já dentro do Corpo de Bombeiros, a tenente-coronel não desistiu do sonho de se formar em direito. Ela ingressou no curso pelo UniCeub, no mesmo ano, e conseguiu o diploma em 2000. Também estudou engenharia de segurança contra incêndio, por meio de formação de oficiais da corporação.

Como profissional, Cristianne conseguiu destaque dentro dos bombeiros, mas, também, foi cedida a cargos de chefia no governo federal. “Para mim, é tudo sobre representatividade. Os negros precisam se ver em cargos de chefia e, assim, enxergarem que também podem estar ali. E, para mim, o Corpo de Bombeiros é uma instituição que preza por essa representatividade”, frisa.

A militar ensina aos filhos, de 14 e 10 anos, sobre a questão racial. “Não deixo nenhum episódio que os façam sentir desconfortáveis passar batido”, sinaliza. Na avaliação dela, o principal caminho para a ascensão dos negros socialmente é o acesso à educação de qualidade. “As crianças e adolescentes precisam se ver representadas em todos os ambientes, mas, também, precisam ter um estudo de excelência, para que as portas possam se abrir. Eu tive privilégio em ter a estrada asfaltada pelo esforço do meu pai, porém são poucos com essa realidade”, reflete.

Orgulho da farda

 (crédito: SSP/Divulgacao)
crédito: SSP/Divulgacao

Bárbara Sabrine, 32 anos, é um dos cinco filhos do militar da Aeronáutica José Roberto de Oliveira, 60 anos, e da professora de História Rosenilde Barros de Oliveira, 57. A capitã nasceu na Tijuca, mas viveu até os 7 anos em São Cristóvão, ambos bairros no Rio de Janeiro, antes de se instalar com a família na Octogonal, em um prédio funcional da Força Aérea, em 1995.

Na capital federal, as memórias de Bárbara foram marcadas pelo preconceito racial. Apesar de ser uma menina simpática, extrovertida e de sorriso fácil, era proibida pelas mães das amigas de frequentar as casas delas. “Naquela época, eu não tinha consciência do porquê. Não dava motivos para essa segregação, pois não era mal-educada. Só depois de adulta é que percebi que o motivo poderia ser o meu tom de pele e a questão social”, analisa.

A diferenciação sofrida na infância e na adolescência também ocorreu por conta da condição financeira da família. “Embora meu pai fosse militar e ganhasse razoavelmente bem, éramos nove crianças. Não passamos dificuldades, mas, diferentemente de todos os meus vizinhos e amigos, estudava em colégios públicos. Meus colegas iam às escolas de transporte particular e eu, de ônibus”, conta.

Os reflexos do preconceito também atingiram a identidade da capitã como mulher negra. Desde os 10 anos, aderiu a procedimentos estéticos de alisamento capilar. “Eu achava meus traços e meu cabelo feios. Alisar as mechas também teve influência sobre como eu me enxergava no mundo.”

Por conta da condição racial e financeira, a capitã sentiu-se desmotivada a concorrer a uma vaga na Universidade de Brasília (UnB), para o curso de química. “Tive de escutar que não seria capaz e que nunca estudaria lá”, relata. “Acontece que passei, sim, por cotas, em 2007”, relata. No último ano do curso, em 2011, uma amiga de Bárbara a incentivou a realizar o concurso para os Bombeiros. Sem muita expectativa, a capitã estudou para a prova e foi pega de surpresa ao ser aprovada.

E foi por meio dos estudos, assim como com o contato com o candomblé — religião afro-brasileira — que Bárbara passou a encontrar a própria identidade. “A transição capilar transformou a minha vida. Eu parei de alisar o cabelo, e cortei curtinho. Nesse momento, enxerguei o quanto meu caminho tinha sido guiado por padrões eurocentristas, e que eu não deveria ter vergonha das minhas origens”, analisa.

Ao buscar a própria linhagem racial, a capitã encontrou a casa Ilê Odé Axé Opô Inle, em Planaltina. “Minha mãe é feita no santo (iniciação de um seguidor do candomblé no culto aos orixás). Entretanto, eu vivia uma dualidade: nas ruas, a religião era tratada como algo ruim, mas, na minha casa, não. Há cerca de quatro anos, minha mãe e minha irmã mais novas me chamaram para ir a uma festa (termo utilizado para o encontro religioso no candomblé), e eu concordei. Naquele dia, senti algo especial, que vinha de dentro de mim. Ali, eu me encontrei”, diz, emocionada.

A capitã Bárbara descreve a própria trajetória como um orgulho para a família e para ela mesma. “Quando visto minha farda, eu me vejo como uma mulher negra em uma posição de oficial que pode levar esperança a tantas crianças e adolescentes vulneráveis ,que veem a minha atuação nas ruas. Por mais que eu não saia gritando pela luta racial, para mim, esse é o modo que eu encontrei de representar o meu povo”, finaliza.

Vitória sobre o preconceito

 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Marcus Kleber, 49 anos, nasceu em um hospital da Asa Sul, mas cresceu e mora, até hoje, em Ceilândia. É o mais velho dos três filhos dos servidores públicos aposentados Antônio José da Silva, 69, e Maria Martins da Silva, 67. O casal conheceu-se na invasão do IAPI, na década de 1960, quando eram, respectivamente, açougueiro e vendedora ambulante.

Após o casamento, Antônio e Maria mudaram-se para o Setor O. Os avôs maternos de Marcus também passaram a morar na região administrativa. “À época, a violência era a céu aberto, com tiroteio de manhã, à tarde e à noite. Meus amigos de infância, a maioria, se envolveram com a criminalidade e acabaram perdendo a vida para a violência. Apesar da vivência, não me envolvi”, conta.

Desde novo, o militar passou a auxiliar os avós no trabalho, no contraturno da escola pública. Aos 10 anos, atuava como carroceiro e vendedor ambulante nas ruas de Ceilândia. “Acredito que a ocupação também me ajudou a não me envolver com a criminalidade que eu presenciava diariamente nas ruas. Apesar de ter tido uma infância tranquila, a violência é um traço marcante desta minha época”, analisa.

No início da adolescência dele, o pai tornou-se bombeiro militar do Distrito Federal, e a mãe, auxiliar administrativo dos Correios. “Assim, nossa condição financeira ficou melhor. Mas, já com meus 14 anos e acostumado a trabalhar, consegui um emprego como ascensorista. Tinha uma vida muito sofrida, auxiliando como carroceiro e vendedor ambulante. Então, quis algo diferente e, com o salário que eu recebia na nova profissão, investi na minha educação. Nessa época, nutria o sonho de, assim como meu pai, tornar-me bombeiro”, relata.

Assim, Marcus ingressou em uma rede particular de ensino na L2 Sul, onde fez o 2º e o 3º anos do ensino médio. “Foram momentos muito difíceis, porque vivi o preconceito racial e social de perto. Os colegas faziam piadinhas constantes de mim e da minha situação financeira, e cheguei a ser discriminado por um professor apenas pelo meu tom de pele. Embora tenha sido triste, não deixei aquela situação me abalar. Sempre quis uma vida melhor e sabia que, para isso, precisaria me esforçar muito mais”, expõe.

“Depois de me formar no ensino médio, segui os meus estudos para concurso. As pessoas não acreditavam no meu potencial, mas não perdi meu foco. Meu objetivo era ser bombeiro, e prestei o concurso em 1994, mas, também, fiz a prova para a Polícia Militar. Passei para as duas carreiras, e escolhi a dos meus sonhos”, explica.

Mesmo após ser concursado, Marcus Kleber não deixou Ceilândia e, inclusive, desempenha o papel de condutor de ambulância em um grupamento do Corpo de Bombeiros da região administrativa. “Hoje, olho para trás e vejo que, apesar da trajetória árdua, tudo valeu a pena. Tenho orgulho de exercer minha profissão, e acredito que o mais importante é se dedicar a realizar os sonhos e buscar o próprio lugar ao sol”, salienta.

“As dificuldades sempre vão existir, mas não podemos nos deixar abater com o que pensam de nós. É necessário não perder o foco do que se deseja para a própria vida, e lutar até que aquele sonho se torne realidade”, finaliza o sargento.

A chave na educação

 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

Filha de pais autônomos, Tula Andrelina, 33 anos, nasceu no município paulista de Mauá. Pela condição financeira da família, o pai, Edson Lopes da Costa, 73, e a mãe, Luzia Estelita de Barros, 56, deixaram o estado do Sudeste brasileiro para tentar uma vida melhor no Centro-Oeste, no interior do Mato Grosso e, poucos anos depois, seguiram para Guarapari, no Espírito Santo.

“Por termos uma família muito grande, meus pais sempre passaram por dificuldades financeiras para manter a todos. Em Guarapari, não foi diferente. Eles passaram a trabalhar como garçons em comércios à beira da praia, mas o movimento na cidade se dá durante as férias. Então, fora desse período, passávamos um pouco de dificuldade”, conta.

De acordo com a sargento, relembrar do período da infância é também compreender processos sociais vividos. “Quando crianças, não entendemos muito o que vivemos. Ao residir no Mato Grosso, tudo o que eu via era a vasta natureza, não compreendia nossa realidade econômica. Foi no Espírito Santo que assimilei a situação financeira da minha família e nossa posição social”, reflete.

Além da dedicação dos pais em colocar comida à mesa para os nove filhos, a família contava com a ajuda de conhecidos da igreja. “Recebemos muitas doações, especialmente, de roupas. Aquelas vestimentas iam passando de irmão para irmão, pois não tínhamos como comprar nada novo para cada um. Mas, mesmo ganhando pouco e com todas as nossas dificuldades, meus pais sempre se preocuparam em nos ensinar a importância da honestidade e da educação.”

No início da adolescência, a irmã mais velha, a depiladora Ediza Lopes da Costa, 48, mudou-se para o Distrito Federal, onde já morava uma tia dela, a cabeleireira Bia Estelita, 53. “Minha tia, sabendo das nossas dificuldades, chamou minha mãe para vir para Brasília. E assim chegamos à capital, em 2001, mais uma vez em busca de uma melhor oportunidade de vida”, diz.

Aos 14 anos, a sargento instalou-se com a família no Setor Oeste do Gama. No Distrito Federal, o pai, Edson, passou a atuar como pintor de faixas e, a mãe, Luzia, profissionalizou-se como cabeleireira, trabalhando no salão da irmã dela, Bia. “Como meus irmãos mais velhos estavam na fase adulta, ingressaram no mercado de trabalho. Foi quando a nossa situação financeira melhorou”, conta.

Seguindo os ensinamentos da mãe, Tula continuou se dedicando aos estudos na rede pública. No último ano do ensino médio, em 2004, a militar viu uma reportagem que mudaria a vida dela para sempre. “Foi o ano em que o governo federal lançou o Prouni, cujo acesso se dava pela prova do Enem. Ali, avistei a oportunidade que precisava para conseguir a ascensão social”, afirma. Ao realizar a prova, a sargento conseguiu 50% de bolsa na Faculdade Alvorada para o curso de educação física.

Em 2008, Tula se formou e, um ano depois, passou no primeiro concurso público: professora temporária da Secretaria de Educação. Chegou a ser aprovada e a atuar como efetiva na rede de ensino e, após os anos de experiência, decidiu ingressar na carreira do Corpo de Bombeiros. Dedicou-se aos estudos por dois anos e, em 2013, foi aprovada, tomou posse e iniciou o curso de formação.

“A educação foi um divisor de águas na minha trajetória. Por meio de um programa social pude ter acesso ao ensino superior, e isso me levou a lugares inimagináveis. Minha vida mudou. Além de ser a primeira formada no ensino superior, também sou a primeira pós-graduada e concursada da minha família.”

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui