Robério apresenta projeto que destina celulares apreendidos em presídios a estudantes de baixa renda do DF



A proposta cria o Programa Alquimia, o qual prevê a restauração de smartphones para o uso dos alunos durante o aprendizado, caso necessário

Celulares apreendidos em presídios do Distrito Federal poderão ser destinados aos estudantes de baixa renda das escolas públicas. Isso é o que propôs o líder do governo na Câmara Legislativa, deputado distrital Robério Negreiros (PSD), ao apresentar um projeto de lei (PL 939/24) que cria o Programa Alquimia no DF, o qual prevê a restauração dos aparelhos para o uso dos alunos durante o aprendizado, caso necessário. A proposta foi lida em plenário, na última terça-feira (21).

De acordo com o texto, o GDF deverá promover parcerias com universidades ou empresas especializadas, “objetivando a necessária triagem dos aparelhos, higienização, consertos e a viabilidade para o uso dos estudantes”. O Programa Alquimia também deverá contar com a efetiva participação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Ainda é proposto que o GDF, juntamente com o MPDFT, promova campanha de incentivo de parcerias com pequenos e médios comerciantes que atuam no ramo de conserto de aparelhos de celulares smartphones, com o intuito de promover uma larga implementação do programa.

“Oportunidade valiosa”

Para o autor do projeto, tornar acessível um programa de reutilização de smartphones apreendidos em presídios é uma iniciativa de suma importância. “Vai muito além de simplesmente reciclar dispositivos”, afirma. “Essa ação oferece uma oportunidade valiosa aos estudantes de baixa renda”, complementa o distrital.

Ao justificar o projeto, o distrital explicou que a proposta partiu de uma ideia adotada no Rio Grande do Sul, onde o Ministério Público local coordena um programa de mesmo nome, e que, inicialmente, ajudou alunos de escolas públicas de Osório, Maquiné e Tramandaí a terem acesso às aulas online por meio de smartphones restaurados.

O Programa Alquimia ganhou notoriedade país afora e passou a ser implementado em outros Estados, como é o caso de Goiás e Mato Grosso do Sul. “Tal iniciativa, de elevado alcance social e de real implementação, é motivo para ser replicada, razão pela qual a propusemos na forma de PL, a fim de que possa se transformar em uma política pública perene, além dos governos que passam pelo DF”, defende Robério.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui