Secretária-executiva da Câmara nega ter discutido emenda suspeita

0
8

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) busca mais informações sobre as reuniões realizadas pela chamada “mesinha” na formulação da emenda da saúde que virou alvo da Operação Drácon. Para tentar esclarecer de que forma os recursos foram remanejados para a área, os promotores ouviram na manhã desta segunda-feira (7/11) a secretária-executiva da Primeira Secretaria da Casa, Leila Ornelas, que faz parte da “mesinha”.

Ligada ao deputado distrital Raimundo Ribeiro (PPS), Leila foi ouvida pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Segundo ela, os questionamentos giraram em torno do processo de decisão que selecionou as empresas beneficiadas pela emenda suspeita. “Eu não participei dessa reunião e disse isso para eles”, afirmou.

Ela garante que apenas tomou conhecimento do assunto pela imprensa. Em sua defesa, também destaca que foi a única integrante da “mesinha” a ser mantida no grupo após a deflagração da Operação Drácon, no dia 23 de agosto.

Nesta terça-feira (8/11), será a vez de Rusembergue Barbosa de Almeida ser ouvido pelo MP. Ligado ao deputado distrital Julio Cesar (PRB), ele foi afastado do cargo de secretário-executivo da Segunda Secretaria da Câmara depois da Drácon. Mas retornou para a mesma função no último dia 1º.Rusembergue já foi vereador em Goiânia, onde foi alvo de processo por improbidade administrativa pelo Tribunal de Justiça local. A reportagem tentou contatá-lo, mas ele não retornou as ligações.

Fonte: Metropoles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui