SEM NENHUM MEDO DE SER FELIZ

0
21
Deu na Veja

Sem nenhum medo de ser feliz

 

Dono de uma das maiores contas publicitárias do governo, ex-marqueteiro do presidente Lula é acusado de dar calote em pequenas emissoras de rádio e embolsar o dinheiro

De Alexandre Oltramari:

A agência Matisse é um dos mais intrigantes casos de sucesso da propaganda brasileira. Em 2003, com a chegada de Lula ao governo, a empresa deixou de ser uma nanica regional para tornar-se uma potência. Comandada pelo publicitário Paulo de Tarso Santos, marqueteiro de Lula em 1989 e 1994, ela entrou para o time das grandes ao vencer a licitação para administrar a milionária verba publicitária da Presidência da República. Seu sucesso, a partir daí, foi estrondoso.

Nos últimos sete anos, a Matisse conseguiu a proeza de se manter como a única agência a prestar serviços ininterruptos à Secretaria de Comunicação do governo. Há dois meses, porém, essa escalada de sucesso sofreu um revés. Sem explicação, Paulo de Tarso Santos anunciou que estava abandonando a empresa para se dedicar a outros negócios. O que se descobre agora é que o publicitário, na verdade, deixou a Matisse por suspeita de desviar recursos públicos.

Sua agência recebia as verbas do governo para pagar anúncios de campanhas oficiais, mas o dinheiro não chegava ao destino – pequenas emissoras de rádio e jornais do interior. O que aconteceu? Por enquanto o máximo que se pode dizer é que alguém embolsou os valores, e o publicitário, como sócio da empresa, foi responsabilizado por isso.

A saída de Paulo de Tarso da Matisse tem relação direta com as irregularidades. No início do ano, a Secretaria de Comunicação (Secom), chefiada pelo ministro Franklin Martins, tomou conhecimento de que um grupo de pequenas empresas de comunicação reclamava ter sido vítima de um calote de 5 milhões de reais por parte do governo federal. Os casos não se encaixavam nos tradicionais atrasos provocados pela burocracia e, curiosamente, envolviam sempre a mesma agência, a Matisse.

Dívidas que se arrastavam havia mais de cinco anos e que começaram a criar dificuldades para o próprio governo. Além do constrangimento, algumas emissoras passaram a recusar publicidade oficial. A Secom tentou contornar o problema, notificando formalmente a Matisse para que quitasse as dívidas. Em outra frente, também mudou seu sistema de pagamento. Antes, o órgão repassava dinheiro às agências depois que elas comprovavam a exibição da propaganda. Agora, além de comprovar a exibição, as agências precisam atestar o pagamento aos veículos.

A mudança de procedimento ocorreu após duas reuniões entre o ex-marqueteiro de Lula Paulo de Tarso e executivos da Presidência da República, no início do ano. Numa delas, inclusive, os ânimos se exaltaram. Ao ser questionado sobre a falta de pagamentos, o publicitário teria insinuado que aquilo era um procedimento normal. Exaltado, o secretário executivo da Secom, Ottoni Fernandes Junior, teria convocado seguranças para expulsar Paulo de Tarso de sua sala.

A discussão foi narrada a VEJA por uma pessoa muito próxima aos dois personagens – que não querem falar sobre o assunto. “Não vou comentar a suposta expulsão”, disse Ottoni a VEJA por meio de sua assessoria. Paulo de Tarso admite que as reuniões foram muito duras, mas diz que a versão do que exatamente ocorreu cabe a Ottoni. “A versão sempre deve ser do cliente”, afirmou a VEJA o ex-marqueteiro de Lula. “Tínhamos um passivo de 1,5 milhão de reais com os fornecedores. O escalonamento é uma coisa normal. Mas a Secom também devia para a gente”, justifica.

Procurada por VEJA, a Matisse garante que não deu calote nem desviou dinheiro público e que só deixou de pagar a quem não comprovou a veiculação dos comerciais. “O mecanismo de controle está cada vez melhor, cada vez mais azeitadinho”, explica Valmir da Silva, gerente financeiro da agência. Não é o que narram as vítimas. Um dos lesados, sob a condição de anonimato, desabafou a VEJA: “O pior é que a gente não pode fazer nada. Como uma pequena emissora do interior do país vai afrontar a agência do governo?”

O grupo de comunicação do ex-presidente Fernando Collor de Mello, a Gazeta de Alagoas, encontrou uma maneira. Não publica mais propaganda da Presidência enquanto a Matisse não quitar uma dívida de 44.993 reais, referente aos anos de 2008 e 2009. “Sempre que ocorre inadimplência de uma agência, como agora, bloqueamos a veiculação de anúncios”, explica Eduardo Frazão, coordenador financeiro da empresa.

No Maranhão, o Sistema Mirante de Comunicação, que pertence à família de José Sarney, também tomou o cano da Matisse, mas prefere não falar sobre o assunto. “São informações restritas. Não posso comentar”, afirma Júlio Cesar Lima, auditor financeiro da empresa.

Assinante da VEJA leia mais em Sem nenhum medo de ser feliz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui