Sistema Faesc/Senar é reconhecido pela eficiência do Programa que controla o Cancro Europeu das Pomáceas

O Sistema Faesc/Senar esteve entre as instituições homenageadas, recentemente, pelo comprometimento no combate ao Cancro Europeu das Pomáceas, durante abertura oficial da Colheita Nacional da Maçã, em São Joaquim, na serra catarinense. O evento reuniu produtores, autoridades, representantes de órgãos e entidades, imprensa e comunidade.

SANTA CATARINA – O presidente do Sistema Faesc/Senar e vice-presidente de finanças da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), José Zeferino Pedrozo, esteve presente e recebeu o reconhecimento das mãos dos presidentes da Associação Brasileira de Produtores de Maçãs (ABPM), Francisco Schio, e da Associação dos Produtores de Maçã de SC (AMAP), Rafael Vieira Grillo. Também acompanhou as atividades o presidente do Sindicato Rural de São Joaquim e vice-presidente de finanças da Faesc, Antônio Marcos Pagani de Souza.

Além dos Sistema Faesc/Senar, a CIDASC e a EPAGRI também foram homenageadas pelas ações em combate ao Cancro Europeu das Pomáceas.

CONTROLE E ERRADICAÇÃO DO CANCRO EUROPEU

O Programa “Técnicas de manejo para controle e erradicação do Cancro Europeu das Pomáceas” foi criado em 2017 pelo Sistema Faesc/Senar para orientar os produtores a identificarem e fazerem a varredura nos pomares e para verificar se há ou não a doença.

A iniciativa prevê acompanhamento em todos os pomares e novas visitas nos locais onde são identificados casos críticos para verificar se as recomendações técnicas foram aplicadas. As visitas são realizadas por três engenheiros agrônomos sediados em Bom Jardim da Serra, São Joaquim e Urupema.

De acordo com o presidente Pedrozo, até o momento o programa atendeu com sucesso mais de 2.160 participantes por meio do Sindicato Rural de Bom Jardim da Serra; cerca de 2.800 pelo Sindicato Rural de São Joaquim e mais de 1.450 por meio do Sindicato Rural de Urupema. “Ao todo, foram 6.400 participantes, com carga horária de 19.200 horas e investimentos da ordem de R$ 2.602.303,00”, frisou.

CANCRO EUROPEU DAS POMÁCEAS

O Cancro Europeu das pomáceas é uma doença da macieira muito preocupante. Causada pelo fungo Neonectria ditissima, afeta as partes lenhosas, como os ramos do ano, os galhos, frutos e o tronco principal da planta. A doença já provocou grandes prejuízos no Rio Grande do Sul e pode dizimar pomares da região, caso não exista controle.

COLHEITA DA MAÇÃ

O evento em São Joaquim representa o início de uma nova colheita, a continuidade dos esforços em prol do desenvolvimento sustentável e a qualidade do setor frutícola brasileiro.  “Apesar dos desafios que enfrentamos nos últimos três anos em razão das condições climáticas adversas, somente na safra de 2022/2023 foram produzidas 505 mil toneladas de maçãs em SC. Aproximadamente 84% dessa produção tem origem na Serra Catarinense, onde 2.676 pomicultores cultivam a fruta. Cerca de 78% desses produtores são pequenos agricultores familiares e têm uma cultura com forte e positivo impacto econômico e social, capaz de promover desenvolvimento regional e qualidade de vida no meio rural, ressaltou Francisco Schio.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui