Voluntários visitam abrigo para excepcionais

    0
    8

     

     

     

    O Abrigo dos Excepcionais Ceilândia (AEC) recebe, no próximo sábado (23), visita de voluntários do projeto Voluntário Cidadão da Secretaria de Justiça do DF. Cerca de 150 voluntários levarão mantimentos básicos e medicações aos internos, como fraldas geriátricas, itens de necessidade básica e higiene pessoal. A presença dos voluntários está marcada para as 14h. O abrigo fica situado na QNN 29 Módulo C – Ceilândia Norte.

     

    Os voluntários se encontrarão na Secretaria de Justiça – localizada na antiga Rodoferroviária, na EPIA- às 13h. A saída em carreata será às 13h30 e os voluntários que precisarem de carona, podem conseguir no local.

     

    Memória – O projeto Voluntário Cidadão foi criado em 2011 pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania e realizou diversas ações em creches, abrigos, lar de idosos e eventos pelo Distrito Federal.

     

    Para o gerente do projeto e subsecretário de Mobilização Social (Sejus), Carlos Eduardo Guimarães, a importância do voluntariado é revelada no sorriso das pessoas que recebem a ajuda. “Cada visita, cada sorriso mostra o quanto é importante sermos solidários. Nós não estamos sós e amanhã pode ser você que vai precisar de um voluntário”, ressalta Carlos Eduardo.

     

    O Abrigo dos Excepcionais Ceilândia (AEC), foi fundado em 06 de maio de 1973 e acolhe 64 pessoas, entre adultos de ambos os sexos, carentes e/ou abandonados pela família. A entidade cuida dos excepcionais, fornece auxílio médico e social além de promover atividades para os acolhidos.

    A missão do AEC é prestar serviços nas áreas de saúde, educação e assistência social aos acolhidos, que por sua vez possuem deficiências múltiplas (mental e física) e que são privados da convivência familiar por abandono, negligência ou orfandade.

    O abrigo recebe ajuda do Governo do Distrito Federal (GDF) através de convênio com a Secretaria de Ação Social. O que é fornecido não é suficiente para o abrigo manter-se integralmente durante o mês, portanto são necessárias ajuda de voluntários físicos ou jurídicos.

    Cada acolhido tem suas necessidades básicas: vestuário, alimentação, higiene pessoal e medicação. O diretor do AEC Ceilândia, Jorge Deister, fala que os maiores gastos dos acolhidos são com fraldas geriátricas, em média são usadas 150 por dia. Os medicamentos que alguns dos excepcionais usam têm custo elevado e são de extrema necessidade para o tratamento deles.

    Em visita ao abrigo, é visível a alegria no semblante de cada acolhido. A carência de atenção, de carinho ou de um simples olhar. Uma simples visita ou uma atividade, pode fazê-los felizes. Vamos abraçar a causa e ajudá-los? A garantia é que você sairá desse lugar com mais humanidade e uma outra visão do mundo em que vivemos.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui