artigo – HERANÇA MALDITA?

18
9

Passamos dos 100 dias de Governo e muita gente ainda se pergunta: o que falta para as ações começarem? A indagação é pertinente, ainda mais em se tratando de uma chapa eleita pela ampla maioria da população do DF. Então, o que falta?

Herança maldita é o termo usado para descrever a situação encontrada por gestores nomeados pelo Governador Agnelo Queiroz. De fato, o DF era terra arrasada. Não tinha sua coleta de lixo regularizada e nem contava com contrato vigente de corte de grama, para citar apenas dois fatores bastante visíveis ao cidadão.

Falta ainda uma solução definitiva para o lixão da Estrutural e a implantação do Aterro Sanitário. A questão da roçagem foi enfrentada, ainda que desordenadamente. Os buracos estão sendo tapados e parece que o básico será atingido. É o suficiente?

O Novo Caminho proposto por Agnelo precisa avançar. Boas iniciativas, como o Orçamento Participativo, têm sido implementadas. No entanto, há problemas estruturais que não têm sido confrontados. O mais evidente é a saúde pública.

Na campanha que o levou ao poder, Agnelo firmou compromissos com a sociedade e vem tendo problemas para cumpri-los. Seriam inauguradas dez UPAs nos 100 primeiros dias, e ele seria o Secretário de Saúde, tal a gravidade da situação. O que vemos, no entanto, é a manutenção do caos, contratos emergenciais sendo assinados sob o pretexto da urgência da situação e nenhuma evolução à vista.

Falta projeto para a educação como um todo. O governo também prometeu extinguir velhas práticas, porém aspectos políticos ainda se sobrepõem aos técnicos. Na segurança pública, o demissionário Daniel Lorenz entregou o cargo alegando ingerência externa, expondo uma disputa surda entre integrantes dos partidos hegemônicos da coalisão (PT e PMDB). Este, aliás, deve ser um grande problema para o Governo. Se não houver habilidade da coordenação política, o DF corre o risco de repetir erros que já deveriam ser passado e ver administrações paralelas tocando o barco. Cabe ao timoneiro Agnelo uma urgente redefinição de rumo para seguir, de fato, o novo caminho.

Bruno Bonettti

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui