Chico Leite indica ex-cunhada para cargo na CLDF, mas nega nepotismo

0
39

 

O deputado Chico Leite (Rede) orgulha-se de levantar a bandeira contra a corrupção e de ter articulado propostas como a Emenda à Lei Orgânica do Distrito Federal n° 67/2013, que veda a prática do nepotismo. A norma proíbe a contratação de “cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau”. O distrital, no entanto, não vê problemas em caminhar no limite da regra que ele mesmo propôs: uma ex-cunhada foi nomeada para trabalhar na Câmara Legislativa. Embora, à letra fria da lei, não haja ilegalidade no ato, especialistas argumentam que há uma controversa questão moral.

Kelly Álvares Machado foi lotada na Assessoria Especial de Fiscalização e Controle, em um cargo CL-11 que, segundo a tabela remuneratória do site da Câmara Legislativa, tem vencimento de R$ 9.274,75. A nomeação foi publicada no Diário da Câmara Legislativa de 20 de maio.

fac_assessoriaFAC_ASSESSORIA

 

Chico Leite afirma que seguiu critérios técnicos e, antes de indicar a ex-cunhada ao cargo, consultou assessores jurídicos. Segundo o parlamentar, o parecer recebido informava que “ex-cunhado não é parente”, por se tratar de linha colateral. Situação diferente da de ex-sogros, ex-genros, ex-padrastos e ex-enteados, que, mesmo após o divórcio, permanecem na chamada “linha reta” de parentesco.

“Antes de indicá-la, eu consultei nosso jurídico. Como autor da lei, eu não poderia contrariá-la. O jurídico respondeu que o parentesco por afinidade em linha colateral se extingue com o vínculo. Não há qualquer vedação legal ou moral. Eu estou separado há quase nove anos”, justificou Chico Leite aoMetrópoles.

Chico Leite ainda defendeu a atitude da ex-cunhada, que negou, à reportagem do Metrópoles, conhecer a própria irmã, Amélia Regina Machado, ex-esposa do parlamentar. “Ela não tinha por que ficar com medo ou negar que conhecesse a Amélia, até porque a Kelly, além de bem preparada tecnicamente e conceitualmente, como são nossos companheiros, me ajuda há mais de 12 anos, desde minha primeira campanha. Se houvesse problema legal ou moral, eu não a teria nomeado.”

O advogado e jurista Jackson Domênico, especialista em tribunais superiores, diz que, embora o tema seja controverso, “cunhado não é parente e ex-cunhada, muito menos”. Segundo Domênico, “essa é uma questão que, legalmente, não causa nenhum problema. Agora, se a questão é moral ou não, vai de cada um”.Críticas
A tese, entretanto, não é compartilhada pelo procurador Wellington Rocha. Segundo ele, a Súmula Vinculante nº 13 do Supremo Tribunal Federal (STF), que trata de nepotismo no poder público, deixa claro que a nomeação por afinidade fere a lei.

A Súmula n° 13 diz que parentes em linha reta, colateral e até o 3º grau, assim como por afinidade, não podem ser nomeados. Apesar do divórcio, ainda existe a questão da afinidade, já que ele foi casado com a irmã dela. Nepotismo é o favorecimento de familiares, amigos e por afinidade em detrimento de pessoas capacitadas para o cargo e, nesse caso, é claro que há a afinidade

Wellington Rocha, procurador

Já o advogado especialista em concursos públicos Fábio Ximenes não vê problemas em relação à nomeação no que diz respeito à questão legal, mas sim no campo ético.

“Temos uma situação interessante, pois, pela questão da legislação não temos uma violação, mas, tecnicamente, existe a relação de afinidade com a ex-cunhada. Seria algo contra a ética, não contra a lei. Por isso, não caberia qualquer ação punitiva na Justiça, mas administrativa por parte da Câmara Legislativa”, avalia Ximenes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui