COMEDIANTE NÃO PERDE O HUMOR NEM AO PROTESTAR

1
11
Deu em O Globo

Comediante não perde o humor nem ao protestar

Foto:  Domingos Peixoto

Ato contra censura durante período eleitoral arranca risadas do público em passeata na Avenida Atlântica

Chico Otávio

Era para ser um ato de protesto indignado. A seriedade, porém, não durou mais do que sete minutos, tempo suficiente para que os comediantes ouvissem quietos — atendendo a um veemente “xiii, silêncio!” — a leitura do manifesto contra a proibição imposta ao humor no período eleitoral.

Em seguida, um dos líderes do movimento, Fábio Porchat, do grupo Comédia em Pé, pegou o megafone e puxou as primeiras “palavras de ordem”:

— Um, dois, três… Quatro, cinco, seis… Sete, oito, nove… Dez, onze, doze…

Comediante jamais perde a piada, mesmo quando se sente acuado. Enquanto caminhavam ontem pela Avenida Atlântica, do Hotel Copacabana Palace ao Leme, no protesto batizado de Humor Sem Censura, e que reuniu cerca de 500 pessoas, Marcelo Madureira, Sabrina Sato, Bruno Mazzeo, Hélio de la Peña, Marcius Melhem e outros “manifestantes” fizeram um show de improvisação para pedir o fim do que classificam de censura da Justiça Eleitoral ao humor político.

— Humorista unido, jamais será comido — bradaram os comediantes, seguidos por uma legião de tietes que disparavam fotografias.

A manifestação, durante a qual foi lançado um abaixo-assinado, exigia a revogação de uma norma do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que proíbe, desde 1997, a veiculação, por rádio ou TV, de entrevistas ou montagens que “degradem ou ridicularizem” candidatos, partidos políticos ou coligações:

— Se é assim, a Justiça tem de proibir também o maior programa de comédia em exibição no Brasil, que é o horário eleitoral gratuito. É tudo muito engraçado. Se eles têm direito de fazer o seu humor, por que não podemos fazer o nosso também? — indagou um inconformado Sérgio Mallandro.

Alguns metros de caminhada à frente, alguém denunciou:

— Iu, iu, iu… Tiririca nos traiu!

A frase, repetida em coro, denunciava que Tiririca, candidato a deputado federal em São Paulo, havia “traído a classe” ao se debandar para o outro lado. A certa altura, a ausência de repressão foi notada:

— Cadê a polícia?

Em uníssono, os manifestantes passaram a cobrar: “Queremos apanhar.”

Depois, imitaram o grito das torcidas de futebol, recheado por um sonoro palavrão, para expulsar da passeata cabos eleitorais que insistiam em infiltrar bandeiras de partidos políticos.

Naquele momento, o ato se aproximava da Avenida Princesa Isabel, inspirando Marcelo Madureira, da turma do Casseta, a fazer um convite coletivo:

— Vamos à Cicciolina? — referindo-se ao inferninho perto dali.

O ato terminou em pizza na Fiorentina, tradicional restaurante do Leme, mas Fábio Porchat está convencido de que a iniciativa vai render frutos.

Leia mais em O Globo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui