Miúra, o pai dos “pardais”

2
53

pardal2Os pardais multadores, ou seja, os radares, têm uma história curiosa. Eles “nasceram” em Brasília, portanto são brasilienses – ou candangos. Aqui eles surgiram em 1996, no Eixão. Foram dois, um na 111 da Asa Norte e outro na 110 da Asa Sul. Ou seja, os pardais nasceram nas asas desse avião chamado Brasília.

O pai da criança foi o ex-governador Cristovam Buarque. E quem o batizou de pardal foi um tal Moysalvo Albergarria, que era motorista de Luiz Miúra, diretor do Detran à época. A história é narrada pelo jornalista Antonio Vidal, no livro “É possível: as realizações do engenheiro Cristovam Buarque rumo a uma nova esquerda”, publicado pela Geração Editorial em 2006.

Li no livro que o então diretor do Detran queria que o nome do aparelhinho fosse pica-pau. Chegou a chamá-lo por esse nome, mas a ideia não vingou. Eu fico cá pensando: esse aparelhozinho deveria ser chamado de corvo, ou águia, ou urubu, ou coruja, corujão, corujinha, falcão. Mas o que “pegou” mesmo foi pardal.

“O motorista de Miúra, Moysalvo Alberagarria, era alvo de gozações e cobranças sempre que levava o chefe para algum evento e ficava aguardando a hora de ir embora no meio de outros motoristas. ‘Pô, Moysalvo, seu chefe quer acabar com a gente. Agora, é multa toda hora’, diziam. Em um desses encontros, Moysalvo respondeu que o sistema agora estava mais sofisticado. ‘É melhor vocês terem mais cuidado ainda porque, de agora em diante, o diretor está contratando uns pardaizinhos que vão ficar nos postes e vão dedurar quem correr demais’, disse. Miúra contou o caso a um jornalista, que publicou a história e o nome pegou. Os radares viraram pardais e são chamados assim em praticamente todo o país. Anos depois, já aposentado, o ex-diretor do Detran não resistiu e fotografou uma placa que viu no interior do Rio Grande do Sul. “Rodovia fiscalizada por pardal”. Mandou a foto para Moysalvo.” [VIDAL, 2006, p.163]

Eis aí a história desses xarás que são personagens da vida brasiliense. Aqui, não tem jeito, todo dia, de dia ou à noite, você vê os pardais. E não adianta você se esconder, pois eles também estão de olho em você. Sorria, você está sendo filmado. Filmado pelos pardais.

* Marcelo Torres, baiano radicado em Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui