Você está aqui
Home > Brasil > Ação popular pede que suplente condenado por estupro de vulnerável não assuma vaga de Cristiane Brasil

Ação popular pede que suplente condenado por estupro de vulnerável não assuma vaga de Cristiane Brasil

Ação protocolada afirma que eventual posse de Nahim “atenta mortalmente contra a moralidade administrativa”

O advogado Rubens Nunes protocolou, nesta quarta-feira (10), uma ação popular na 4ª Vara Federal da Justiça em Niterói (RJ) para impedir que Nelson Nahim (PSD-RJ) assuma a vaga da ministra nomeada Cristiane Brasil (PTB-RJ), caso ela efetivamente assuma o ministério do Trabalho. Nahim foi condenado, em 2016, a 12 anos de prisão por estupro de vulnerável e foi preso duas vezes por exploração sexual de menores. Rubens Nunes, que protocolou a ação, é um dos coordenadores nacionais do Movimento Brasil Livre (MBL).

<< Condenado por exploração sexual infantil assume vaga de Cristiane Brasil na Câmara

Nahim, irmão do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, foi preso em junho de 2016 e passou quatro meses na cadeia após ser condenado. De acordo com reportagem do jornal O Globo, a ação impetrada afirma que a possibilidade de Nahim assumir a cadeira de Cristiane na Câmara “atenta mortalmente contra a moralidade administrativa, as instituições democráticas, a Pátria e contra o povo desta Nação”.

Nahim é suplente na coligação que elegeu Cristiane Brasil, que foi nomeada para assumir a pasta do Trabalho na semana passada. Na noite de segunda-feira (8), a mesma 4ª Vara Federal de Niterói concedeu liminar para suspender a posse da filha de Roberto Jefferson. A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com recurso para garantir que a deputada assumisse a pasta na tarde de ontem (terça, 9), mas o Tribunal Federal da 2ª Região (TRF-2) negou o recurso e a posse permaneceu suspensa.

Meninas de Guarus

O caso que levou à condenação de Nahim ficou conhecido como “Meninas de Guarus”, referência a uma localidade de mesmo nome em Campos, onde garotas pobres eram mantidas encarceradas e submetidas a exploração sexual.

Além dele, outras 13 pessoas, entre ex-vereadores e empresários, foram condenadas por participação no esquema. De acordo com o Ministério Público, 15 meninas foram mantidas em cárcere privado, entre 2008 e 2009, e só deixavam o local para fazer programas sexuais. Em troca, recebiam parte do valor pago pelo cliente, comida e drogas.

Conforme o processo, as vítimas ficavam em um ambiente fechado, presas a correntes e cadeados, sob permanente vigília armada. Além disso, reforça a acusação, as crianças e as adolescentes eram obrigadas a consumir drogas como cocaína, haxixe, crack, maconha e ecstasy antes dos programas. Segundo a acusação, crianças e adolescentes de 8 a 17 anos tinham de fazer até 30 programas por dia.

Liberdade no STF

Ex-presidente da Câmara de Campos, o ex-vereador chegou a ser prefeito interino do município durante o período em que a então prefeita Rosinha Garotinho, sua cunhada, esteve afastada do cargo pela Justiça eleitoral.

Preso em junho de 2016, assim como os demais condenados no caso, Nahim só deixou a prisão no final de outubro do mesmo ano, após conseguir uma liminar em seu habeas corpus (HC 137697) no Supremo Tribunal Federal. Lewandowski garantiu a ele liberdade até que seu recurso seja examinado no mérito.

Deixe uma resposta

Top