Partidos procuram mulheres para preencher 30% das candidaturas

0
12
É cada vez mais intensa a participação feminina nas disputas por um cargo público, apesar das dificuldades das legendas em conseguir candidatas com potencial para vencer a concorrência. A lei prevê que cada partido reserve 30% das candidaturas a elas

 

Adriana Bernardes

 

Procuram-se mulheres. Não precisam ser bonitas, mas é imprescindível que tenham espírito de liderança. Se tiverem o dom da oratória, melhor. O mais importante é que se façam ouvir. Casadas, solteiras, divorciadas, brancas, negras, não importa. Ricas, remediadas ou pobres. Letradas pelos livros ou pela vida. Não foi feito anúncio, só que, ao longo do ano passado, a busca se deu em templos religiosos, nas associações de moradores, nas ruas empoeiradas das comunidades carentes e nos protestos que sacudiram Brasília e o país em 2013.

Olheiros de todos partidos se lançaram à procura de potenciais candidatas a um cargo público nas eleições. A missão: engrossar o quadro de filiadas e, principalmente, convencê-las a disputar um pleito. Por lei, cada legenda deve fechar a lista com, no mínimo, 30% de mulheres. Uma exigência que, segundo especialistas, é atendida de forma protocolar em várias siglas partidárias. Por idealismo ou somente para fazer o que manda a lei, o sucesso da empreitada será medido pelas urnas, em outubro.

Até lá, as potenciais deputadas, senadoras e presidente enfrentam o desafio de destrinchar os enredos da política. E o beabá de uma campanha vitoriosa tem muitos meandros. Um projeto sólido, dinheiro para financiar o corpo a corpo com os eleitores e carisma para cair nas graças do povo. Nos bastidores, a busca dos partidos por mulheres animadas a disputar uma eleição começou há mais de um ano. E, mesmo as siglas com militância feminina, relatam dificuldades de encontrar quem queira largar tudo e mergulhar em uma campanha. Os motivos são os mais variados. Desde a descrença com a política, passando por questões familiares e de ordem financeira.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

 Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui