VERÃO PODE AGRAVAR FOTOFOBIA

0
19

DIAS MAIS LONGOS E MAIS CLAROS AUMENTAM O
DESCONFORTO COM A LUMINOSIDADE

A maior exposição ao sol e os dias mais claros do verão podem agravar,
e muito, um sintoma, que está associado a uma condição anormal dos
olhos: a fotofobia. Esse problema se caracteriza por um desconforto ou
aversão a fontes luminosas, seja ele provocado pelo sol ou mesmo pelas
lâmpadas artificiais. “As causas oftalmológicas mais comuns de fotofobia
incluem síndrome do olho seco, erros de refração não-corrigidos
(astigmatismo e/ou miopia), inflamações, infecções, traumas e até
mesmo pós-operatórios precoces de cirurgias dos olhos. Porém,
pacientes com conjuntivite, úlceras de córnea (ceratites), inflamações ou
infecções intraoculares (uveítes), ou que apresentem abrasão traumática
da córnea e uso excessivo de lentes de contato, também podem se
queixar de fotofobia”, explica o oftalmologista Eduardo Rocha, médico do
Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB), empresa do Grupo Opty, que
também reúne, em Brasília, o Hospital de Olhos Inob, o Hospital de
Olhos do Gama (HOG) e o Centro Oftalmológico Dr. Vis.

Segundo o oftalmologista, embora o desconforto possa atingir indivíduos
de todas as idades, é mais comum entre mulheres e em pessoas com
mais de 50 anos. A partir dessa faixa etária, costumam ocorrer
alterações da superfície ocular como a blefarite e o olho seco. “Os dias
quentes do verão acarretam uma evaporação da camada aquosa da
lágrima, isso contribui com o agravamento do olho seco e da fotofobia.

Dependendo da gravidade do problema, recomenda-se o uso de lágrima
artificial (colírio) ou mesmo o tratamento inovador e eficiente: a Luz
Pulsada Regulada de Alta Intensidade (E-EYE IRPL)”, destaca.

A sensibilidade à luz também pode ser um sintoma de doenças
subjacentes que não afetam diretamente os olhos, como gripe, dengue e
sinusite, por exemplo; ou ainda por fortes dores de cabeça e
enxaquecas. Para esses casos, o melhor tratamento é descobrir e tratar
a causa. Uma vez resolvido o fator desencadeante, em muitos casos a
fotofobia desaparece. “Para quem tem aversão natural à claridade, o
ideal é evitar a luz solar intensa e outras fontes de iluminação forte.
Aconselha-se usar chapéus de abas largas e óculos de sol com proteção
ultravioleta (UV), quando estiver ao ar livre durante o dia. Além disso,
considere usar óculos com lentes fotossensíveis, que escurecem
automaticamente ao ar livre e bloqueiam 100% dos raios UV do sol.
Outra boa opção são as lentes polarizadas, que oferecem proteção extra
contra reflexos de luz que causam brilho na água, areia, estradas de
concreto e outras superfícies refletivas”, acrescenta o Dr. Eduardo.
Para os motoristas, os sintomas são mais perceptíveis no período
noturno, quando a vista fica ofuscada pela luminosidade dos faróis. “Essa
condição pode causar insegurança ao volante e acidentes de trânsito.
Para minimizar o incômodo, existem óculos especiais. Há lentes com
mais filtros e que contrastam mais à noite, acentuando as imagens e
separando melhor os estímulos luminosos. As lentes ideais são as de
cores amarela e âmbar”, garante.
O médico ressalta que um dos fatores determinantes da intensidade da
fotofobia é o tamanho da pupila. Quando maior a pupila, maior a chance
de ter o sintoma. Algumas pessoas com uma cor dos olhos mais clara

também podem experimentar mais sensibilidade à luz em ambientes com
luz solar intensa, devido à baixa quantidade de pigmentos na íris e na
retina. “O extremo dessa condição é o albinismo, ou seja, a ausência do
pigmento melanina na pele e nos olhos, que ocasiona severa fotofobia.
Para esses casos, os cuidados precisam ser redobrados”, afirma o
especialista.
E para quem gosta de tecnologia, um alerta: pessoas que passam muito
tempo em frente aos eletrônicos podem criar uma hipersensibilidade à
luz, já que ao piscar menos estão propensas a desenvolver olho seco e
fotofobia. “Então, procure limitar suas horas em frente aos tablet,
computador, televisão e celular. É importante fazer intervalos de alguns
minutos a cada duas horas. Essa pausa é fundamental para normalizar
as piscadas e lubrificar novamente os olhos”, finaliza o Dr. Eduardo
Rocha.

Sobre o Opty
O Grupo Opty nasceu em abril de 2016, a partir da união de médicos oftalmologistas apoiados
pelo Pátria Investimentos, que deu origem a um negócio pioneiro no setor oftalmológico do
Brasil. O grupo aplica um novo modelo de gestão associativa que permite ampliar o poder de
negociação, o ganho em escala e o acesso às tecnologias de alto custo, preservando a prática
da oftalmologia humanizada e oferecendo tratamentos e serviços de última geração em
diferentes regiões do País. No formato, o médico mantém sua participação nas decisões
estratégicas, mantendo o foco no exercício da medicina.
Atualmente, o Grupo Opty é o maior grupo de oftalmologia da América Latina, agregando 20
empresas oftalmológicas, 1700 colaboradores e mais de 560 médicos oftalmologistas. O
Instituto de Olhos Freitas (BA), o DayHORC (BA), o Instituto de Olhos Villas (BA), a Oftalmoclin
(BA), o Hospital Oftalmológico de Brasília (DF), o Hospital de Olhos INOB (DF), o Hospital de
Olhos do Gama (DF), o Centro Oftalmológico Dr. Vis (DF), o Hospital de Olhos Santa Luzia (AL),
o Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (SC), o Centro Oftalmológico Jaraguá do Sul (SC), a
Clínica Visão (SC), o HCLOE (SP), a Visclin Oftalmologia (SP), o Eye Center (RJ), Clínica de Olhos

Downtown (RJ) e COSC (RJ), Lúmmen Oftalmologia (RJ), Hospital de Olhos do Meier (RJ) e
Hospital Oftalmológico da Barra (RJ) fazem parte dos associados, resultando em 40 unidades
de atendimento. Visite www.opty.com.br.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui