E-mails dizem que Serra e Arruda sabiam de cartel

0
10
 

Estadão Conteúdo

E-mails que fazem parte dos documentos em poder do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) na investigação sobre o cartel de empresas de trens revelam que funcionários da Siemens disseram que tanto o ex-governador José Serra (PSDB), de São Paulo, quanto o então deputado José Roberto Arruda, ex-governador do Distrito Federal, tinham ciência da ação das empresas no setor metroferroviário.

 

 

Arruda nega a informação e, em entrevista à “Folha de S. Paulo, Serra disse que a licitação citada “foi acirrada, foi anticartel”. Ele negou que tivesse tido “encontros privados” com executivos da empresa.

O e-mail que cita o ex-governador tucano fala de um encontrou durante uma conferência, a UIC, maior reunião mundial de empresas de transporte público, em 2008.

A mensagem, enviada por Nelson Branco Marchetti, um ex-funcionário da Siemens, diz a três colegas que a licitação seria cancelada caso a empresa CAF não estivesse entre as vencedoras.

“O senhor [José] Serra confirmou que, se a proposta da CAF não tiver condições de ser qualificada, a concorrência será cancelada”, diz o texto.

O executivo disse também, segundo a documentação, que Serra não queria que a licitação tivesse atrasos. Por isso, ele e o então secretário dos Transportes Metropolitanos José Luiz Portella teriam mencionado que considerariam uma proposta em que a Siemens oferecesse 30% dos trens.

“Outra solução a ser considerada seria a horizontal, com fornecimento de componentes” à empresa vencedora. “Ambas as afirmações acima foram confirmadas mais uma vez pelo pessoal do senhor Portella”, diz ainda a mensagem.

Arruda

O ex-governador Arruda é citado em outra mensagem, datada de janeiro de 2006, quando estavam em negociação a contratação de empresas que fariam a manutenção do metrô de Brasília.

A mensagem em posse do Cade é do executivo da Siemens Everton Rheinheimer. Ele relata um encontro com Arruda em que ficaria sabendo que o então governador Joaquim Roriz não queria cancelar a licitação –que estava sendo disputada.

Em outra mensagem, o executivo diz que a “vontade do cliente [o Metrô do DF] é que a Siemens saia vencedora”.

O texto mostra ainda que os executivos teriam ficado preocupados em conseguir cumprir os prazos legais para apresentar as planilhas de preços. Como o haveria tempo, a solução foi usar parte das planilhas de custos estabelecidas pelo Distrito Federal. “Podemos tomar os preços base do edital (que sabemos estarem ‘folgados’) e reduzi-los linearmente.”

O advogado de Arruda, Edson Smaniotto, afirmou que as negociações para a manutenção do Metrô do DF eram feitas pela própria empresa, que “tem autonomia administrativa”. Segundo o advogado, “os contratos foram renegociados e houve uma redução de 30% no preço” durante a gestão de Arruda. Ele destacou ainda que Arruda não participou da criação daquela licitação. “Ele assinou o contrato que foi deixado da gestão anterior”, disse. As informações são do jornal “O Estado de S.Paulo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui