EX-DIRETOR DO DETRAN E SECRETÁRIO DE TRANSPORTES DO DF SÃO ACUSADOS DE AMEAÇAR TESTEMUNHAS E JORNALISTA

0
82

O novo secretário de Transportes do DF, Gualter Tavares Neto (aquele mesmo que foi pego com sua Mercedez estacionada em local proibido no pátio do DETRAN e com vários pontos na carteira de motorista) é um sujeito que gosta de dinheiro, é atrevido e acredita que a impunidade existe. Ele não gostou de saber das acusações que empresários ligados à ASPLAC  fizeram ao blog sobre a máfia instalada no DETRAN e na secretaria de Transportes do DF, e também não gostou do encaminhamento das denúncias ao Ministério Público.  Ele só não sabia é que este jornalista investiga a secretaria de Transportes do DF e o DETRAN desde 2008. VAMOS ABRIR A CAIXA DE PANDORA DE GUALTER E SUA TURMA:

No DETRAN, então capitaneado pelo coronel César Caldas (foto), a influência de pessoas do primeiro escalão em contratos era constante. Havia muita pressão em cima de empresários. Inclusive, há denúncia formal junto ao Ministério Público, devidamente documentado por este blog, que envolve a cúpula do DETRAN e um integrante da  secretaria de Transportes do DF. A denúncia envolve o ex-diretor do DETRAN,  César Caldas, o presidente da ASPLAC e presidente da Agenciauto, Sérgio Lúcio, e o atual secretário de Transportes , Gualter Tavares. Segundo empresários da ASPLAC, as tais ‘autoridades’ faziam extorsão e intimidação aos associados da Associação de Fabricantes de Placas de Veículos no DF com o claro propósito de ganhar dinheiro fácil em projetos como o Lacre Inteligente e a Inspeção Veicular, dois milionários negócios preparados para o cidadão pagar.

Um grupo de empresários da ASPLAC simulou uma reunião para desbaratar as tais  ‘autoridades’  que desejavam  substituí-los para colocar suas próprias empresas (em nome de terceiros) no Detran. Os associados deram corda à conversa, e diante de três testemunhas foi descoberta a farsa: as tais autoridades preparavam um processo para ganhar muito dinheiro utilizando-se da associação para a criação de uma nova taxa do lacre com valor superfaturado, e que  repassariam um valor pífio para quem realmente executaria o serviço – a ASPLAC.  Ainda na direção do ex-diretor Délio Cardoso, chegaram a mandar que a presidente da ASPLAC, Zilda Xavier renunciasse ao cargo e desse lugar ao novato Sérgio, homem ligado ao coronel Cezar Caldas e ao Gualter, que à época era diretor administrativo do Detran.

Um dos integrantes da Associação também gravou a reunião para tentar descobrir quem seria o homem das autoridades no grupo. Depois  o grupo descobriu quem era o “traíra” que estava agindo de acordo com a orientação de pessoas do DETRAN e da secretaria de Transportes do DFe a partir daí ficou fácil determinar quem eram os ‘cabeças’ , que estão sendo acusadas de peculato, formação de quadrilha, extorsão e ameaça à testemunhas, principalmente à ex-presidente da ASPLAC que foi chamada à secretaria de Transportes para ouvir do então  secretário-adjunto, Gualter Tavares Neto, ameaças, mentiras e provocações, inclusive contra este jornalista.

Gualter e sua turma fizeram ameaças e chegaram à dizer que este jornalista estava “grampeado” e que não era” páreo para eles”, porque  tinham  “o apoio da civil”  e mandavam no TCDF, no Ministério Público e na imprensa,porque Arruda estava muito ‘forte’, e que eu estaria atrapalhando os negócios do grupo, ao ouvir e dar encaminhamento às denúncias recebidas.  Acompanhe aqui,  um resumo dos depoimentos e os nomes dos envolvidos no escândalo da Caixa de Pandora do Detran. E não adianta ameaçar este jornalista. É preciso investigar o Detran e a Secretaria de Transportes do DF.  E urgente! Em tempo: graças à denúncias deste jornalista, uma empresa denunciou a fraude do lacre  em 2008 e o processo foi interrompido por determinação do Tribunal de Contas do DF. Gualter e sua turma pretendiam usar a ASPLAC para burlar a Lei 8.666 e evitar uma licitação. Afinal, seria bem mais prático fazer um ‘consórcio’. Veja e entenda o que o TCDF pensou a respeito:

Graças à denúncia deste jornalista, a empresa GS 5 Tecnologia denunciou o fato ao TCDF. Acompanhe:

Processo nº: 35831/08 – A

Órgão de Origem : Gabinete da Presidência – Assessoria Administrativa

Interessado: Departamento de Trânsito do DF

Natureza: Representação

Ementa:     Representação oferecida pela empresa GS 5 Tecnologia da Informação LTDA, acerca de possíveis irregularidades no convenio celebrado entre a Associação das Empresas Fabricantes de Placas para Veículos Credenciadas no DETRAN-DF e o referido Departamento de Trânsito, juntamente com o consórcio Elo de Segurança de Brasília.  Suspensão. Inspeção. Pedido de vista (Consª Anilcéia Machado).

Fundamento para não inserção em pauta: Res. TCDF nº 161/03, art. 1º, VI.

RELATÓRIO

Cuidam os autos de análise da representação formulada pela empresa GS 5 Tecnologia da Informação LTDA, apontando possíveis irregularidades no convênio celebrado entre a Associação das Empresas Fabricantes de Placas para Veículos Credenciadas no DETRAN-DF e o referido Departamento de Trânsito, juntamente com o consórcio Elo de Segurança de Brasília.

2.                Às fls. 9/13, constam cópias do instrumento de constituição da representante.

3.                Segundo a representação em comento, o Correio Braziliense de 18.10.2008 (Caderno Cidades, pg. 40), visto por cópia à fl. 08, noticiou a existência do referido convênio, para substituição de lacres das placas dos veículos com a possibilidade futura de colocação de chips de rastreamento e informações veiculares.

4.                No entender da representante, as irregularidades são as seguintes:

●      o objeto contratado não pode ser alcançado mediante convênio, pois, na verdade “é uma prestação de serviços com fornecimento de bens que não pode ser prescindida de processo licitatório”, ao passo que o “convênio é um ajuste administrativo celebrado entre o ente administrativo para consecução de objetivos de interesse comum dos convenentes”;

●      as atividades a serem desempenhadas – “recepção, distribuição, registro