GOIÁS – MINISTÉRIO PÚBLICO DENUNCIA PREFEITA DE VALPARAÍSO

10
20

 

  O promotor de Justiça de Valparaíso, Bernardo Borges, não desistiu da ação que questiona a legalidade do repasse de uma rua municipal para uma construtora. “Não se pode mudar a destinação de uma rua e passá-la para a iniciativa privada”, diz. Na denúncia de improbidade administrativa, Bernardo Borges chega a pedir a cassação do mandato da prefeita Lêda Borges (PSDB) e dos oito vereadores que autorizaram a doação do terreno a Goiás Construtora para pagamento de uma suposta dívida contraída com a empresa na administração do ex-prefeito José Valdécio. 
 
A prefeita conseguiu suspender o efeito da liminar por meio de um agravo concedido pela Justiça, mas a ação ainda não foi julgada, afirma o promotor. Numa segunda tentativa de impedir que a Rua Espanha, no Bairro Esplanada, venha a ser incorporada à expansão do Shopping Sul, o promotor decidiu incluir na ação o próprio shopping, que acabou se beneficiando com a doação. Consta na ação que essa história é antiga. Em 2009, Lêda Borges havia tentado doar o terreno ao shopping, mas recuou da iniciativa por conta da reação da opinião pública. Segundo o Ministério Público, em abril do ano passado, a prefeita conseguiu a autorização dos vereadores para repassar a rua à construtora como pagamento da dívida antiga. 
 
Na ação, o promotor pede a suspensão dos efeitos da lei aprovada na Câmara e que a Justiça impeça que a construtora venda o terreno, que já havia sido vendido. Por isso, o promotor decidiu acrescentar o Shopping Sul na ação. A avalição que se faz na cidade é que a prefeita se colocou em uma situação difícil porque não dispõe de terrenos públicos suficientes para pagar as demais dívidas da prefeitura. Mesmo que tivesse, avalia um jurista da cidade, não é recomendado lançar mão de áreas públicas para pagar dívida que podem ser parceladas.
Informações do Jornal Opção.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui